J. F. Diório/Estadão
J. F. Diório/Estadão

Corinthians joga melhor e bate o São Paulo pela Copa Libertadores

Alvinegro se impõe desde o início do clássico e triunfa por 2 a 0; jogadores do São Paulo reclamam da arbitragem no segundo gol

Raphael Ramos, O Estado de S. Paulo

19 de fevereiro de 2015 | 00h06

No primeiro clássico Majestoso da história da Libertadores, o Corinthians levou a melhor sobre o São Paulo e venceu por 2 a 0, nesta quarta-feira, no Itaquerão, gols de Elias e Jadson. Com o triunfo, o Alvinegro larga na frente do Grupo 2 e mantém o ótimo retrospecto em casa. Em 23 jogos, são 17 vitórias, cinco empates e apenas uma derrota. Este ano, o Corinthians ganhou as cinco partidas que disputou no seu novo “caldeirão”. 

No embalo da sua torcida – que ontem bateu o recorde de público do Itaquerão depois da Copa, com 38.487 pagantes –, o Corinthians foi superior desde o início da partida. Acuado, o São Paulo errava muitos passes. 

O Alvinegro encurtava o campo de ação do adversário e tinha o domínio tático da partida. Quando um são-paulino encostava na bola, logo era cercado por pelo menos dois corintianos e, assim, o Tricolor não conseguia dar mais do que três passes seguidos.

Com a partida sob o seu controle, o Corinthians não demorou para abrir o placar. E foi um golaço. Aos 11 minutos, Fagner tocou para Danilo, que ajeitou para Jadson dar um belo lançamento a Elias. Na cara de Rogério Ceni, o volante bateu de primeira no canto.

Mesmo depois do gol, o Corinthians não mudou a maneira de jogar. Já ao São Paulo faltavam principalmente velocidade e movimentação. O Alvinegro, porém, não conseguiu manter o ritmo por muito tempo. A partir dos 25 minutos, o Corinthians recuou a marcação e o São Paulo equilibrou a partida. Os zagueiros corintianos começaram a fazer a ligação direta para os homens de frente e a bola deixou de passar pelo meio de campo da equipe.

Mesmo com dificuldades para criar as jogadas, o São Paulo era perigoso nas bolas paradas. Aos, 36, por exemplo, em cobrança de escanteio pela direita de Ganso, a bola passou com perigo na frente do gol de Cássio. 

O segundo tempo começou exatamente como o primeiro: com o Corinthians pressionando o São Paulo. O Alvinegro usava bem as laterais de campo, com jogadas em profundidade. Diante do domínio corintiano, Muricy Ramalho resolveu mexer no desenho tático da sua equipe logo aos oito minutos, ao substituir o atacante Alan Kardec pelo lateral-esquerdo Reinaldo. Com a mudança, o São Paulo perdeu poder de fogo no ataque, mas melhorou na marcação e deixou de passar sufoco na defesa.

O jogo ficou truncado, com mais faltas no meio de campo. Sem conseguir passar pela defesa do São Paulo, o Corinthians passou a arriscar chutes de fora da área. O Tricolor tentava responder na mesma moeda, mas errava passes demais. Encurralado entre os zagueiros, Luis Fabiano participava pouco do jogo. Quando conseguia encostar na bola, a perdia para Gil. 

Ligeiramente superior, o Corinthians fez o segundo gol aos 23. Após a cobrança de escanteio do São Paulo, Emerson fez falta em Bruno e puxou o contra-ataque e tocou para Jadson. O meia driblou Reinaldo e chutou por baixo de Ceni. Os jogadores do São Paulo reclamaram da falta de Sheik. Depois, aos gritos de “nosso freguês voltou”, os corintianos só deixaram o tempo passar parar comemorar.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 2 X 0 SÃO PAULO

CORINTHIANS - Cássio; Fagner, Gil, Felipe e Fábio Santos; Ralf, Elias (Bruno Henrique), Jadson e Renato Augusto; Emerson (Malcom) e Danilo. Técnico: Tite.

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Bruno, Toloi, Dória e Michel Bastos; Denilson, Souza, Maicon (Thiago Mendes) e Ganso; Alan Kardec (Reinaldo) e Luis Fabiano. Técnico: Muricy Ramalho.

GOLS - Elias, aos 11 minutos do primeiro tempo; Jadson, aos 22 do segundo.

ÁRBITRO - Ricardo Marques Ribeiro.

CARTÕES AMARELOS - Denilson, Ganso, Luis Fabiano e Felipe.

PÚBLICO - 39.026 torcedores (38.487 pagantes).

RENDA - R$ 3.528.236,00.

LOCAL - Itaquerão, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.