Corinthians joga pela paz contra Goiás

O técnico Márcio Bittencourt não esconde o sorriso. O atacante Jô também tenta demonstrar calma, mas este não é o clima do Corinthians para o jogo desta noite, às 21h45, diante do Goiás, no Pacaembu, pela Copa Sul-Americana. Ao contrário: a ordem é justamente buscar a tranqüilidade perdida após séries de tropeços no Brasileiro. Para retomar a paz, titulares em campo. O Corinthians tem vantagem de 2 a 0 no jogo de ida e garante vaga na próxima fase na qual o adversário será o River Plate por derrota por até um gol de diferença. Porém, nada de atuar com o regulamento debaixo do braço. "Viver no Corinthians significa vencer todas", profetiza Márcio, bastante ameaçado de perder o cargo. E esta foi a recomendação aos jogadores em papo ao pé do ouvido de cada um deles. "Não podemos nos contentar nunca, é necessário buscar sempre melhorar." Sobre a possível demissão, o treinador ironiza: "Já passei por isso aqui e ainda mais com essa situação. Não é novidade", disse. Márcio garante estar bastante consciente e não teme ser trocado por um técnico linha dura. Fala-se em Abel Braga, do Fluminense. "Sou um cara bom quando necessário, mas quando precisa apertar a porca, sou o primeiro a fazer", avisa. A tranqüilidade, palavra mais falada nas entrevistas desta terça, também é o alvo do atacante Jô, que negociado com a Europa, despediu-se mas volta ao time. Ficará no clube até dezembro e tenta focar-se apenas em marcar gols. "Minha cabeça está inteira no Corinthians e sonho realizar bom papel até dezembro, e, claro, conquistando meu primeiro título como profissional." As juras de amor tem também o objetivo de reconquistar a torcida, um pouco frustrada após gols fáceis desperdiçados. Sabe contudo, que será reserva de Nilmar a partir do duelo com o São Paulo, dia 7.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.