Corinthians joga por Carlos Alberto

Blindagem. Essa é a palavra que mais se ouviu no Parque São Jorge durante a semana. O técnico Márcio Bittencourt quer que a partida deste sábado contra o Paraná, às 18h10, em Maringá, seja de redenção para Carlos Alberto. Há uma preocupação da cúpula da MSI com o péssimo desempenho do meia, comprado do Porto por R$ 33 milhões. O medo de desvalorização faz com que todos, a começar por Márcio, busquem proteger o meia. "O Carlos Alberto é um ser humano como outro qualquer e pode viver uma fase ruim. Como treinador, cabe a mim oferecer a chance a ele para se recuperar. E é isso que vou fazer", diz o treinador. A pressão para que a MSI não perca dinheiro com Carlos Alberto é tão grande que até o jogador com quem disputa a posição promete fazer tudo para ajudá-lo. "Não é que não queira ser titular. Muito pelo contrário. Não me conformo quando vou para a reserva, mas o Carlos Alberto é um jogador importante demais ao grupo. Não pode ser queimado. Temos de fazer tudo para preservá-lo", afirma Rosinei. Os dois vão jogar juntos porque Roger está suspenso pelo terceiro cartão amarelo que recebeu no jogo contra o Palmeiras. Carlos Alberto sentiu as críticas. O jogador se recusou durante toda a semana a dar entrevistas. O irônico é que suas brincadeiras com os outros jogadores continuaram, assim como seu fraco futebol. No coletivo de quinta-feira, foi muito mal. Errou seguidos passes no ataque e não ajudou na marcação. Márcio parou várias vezes o treinamento para conversar com Carlos Alberto, tentando orientá-lo. Até agora, sem resultado. Márcio ficou irritado com a insinuação de que está tendo todo esse cuidado porque o jogador custou caríssimo à MSI. E no auge da raiva disse que até a reserva pode estar esperando por ele. "Tenho de ser justo com o grupo. Não me interessa se o Carlos Alberto foi contratado por muito ou pouco dinheiro. Quero é o bem do time e do grupo. Precisamos de resultados. Quero saber do rendimento da equipe. Se o time não jogar bem com ele, vou buscar outra fórmula, mas o Carlos Alberto tem a minha confiança". As estatísticas continuam revelando que a produtividade ofensiva do jogador é fraquíssima. Em 27 partidas, Carlos Alberto fez apenas quatro gols - três de pênalti e um de falta. Dados frágeis para quem se apresentou prometendo lutar para jogar na seleção brasileira e até na Copa do Mundo da Alemanha, no ano que vem. Com tendência a engordar - tem atração por sanduíches -, os preparadores físicos do Corinthians o obrigam a fazer mais exercícios que seus companheiros. Independentemente da proteção a Carlos Alberto, Márcio soube que o Corinthians irá atuar como se estivesse em casa, em Maringá. Dos cerca de 17 mil ingressos colocados à venda, muito mais da metade foi vendida a corintianos do Paraná. E até por isso o treinador colocará seu time no ataque. "Queremos ganhar essa partida. Sei que é meio complicado atuar em Maringá, já que ninguém por aqui se esqueceu da derrota para o Cianorte. Vamos enfrentar um gramado grosso e molhado. Os paranaenses molham o campo antes do jogo, mas vamos jogar na frente, buscando sempre o gol. Precisamos vencer". O Corinthians é o quinto colocado no Campeonato Brasileiro, com 19 pontos. "Estamos empolgados depois da vitória diante do Palmeiras e prontos para uma arrancada que nos coloque em primeiro lugar", afirma o animado Rosinei. Márcio terá no banco de reservas o zagueiro Sebá e o volante Fabrício. Os dois se recuperaram de contusões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.