Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Corinthians leva susto inicial, mas faz 3 a 0 no Bahia e garante liderança do Brasileiro

Apesar do placar dilatado, time alvinegro sofre até a metade do segundo tempo para conseguir bom resultado na arena

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

22 de junho de 2017 | 21h29

Um jogo diferente do habitual aconteceu nesta quinta-feira na Arena Corinthians. De rotineiro, apenas que Jô marcou mais um gol e comandou a vitória por 3 a 0, no Brasileiro, desta vez, diante do Bahia. Expulsões e pressão do rival fizeram com que o placar fosse construído com muito mais dificuldade do que era esperado antes da partida.

O resultado não mostra exatamente o que foi visto em campo. O embate desta quinta foi um dos confrontos em que o time de Fábio Carille mais sofreu para ganhar, mesmo jogando em casa. Apesar da má atuação, ter vencido foi importante para dar ainda mais moral para o jogo de domingo, contra o Grêmio, naquele que muitos colocam como uma “final”, já que as duas equipes disputam a ponta da tabela.

O JOGO

O Corinthians entrou em campo com 21 jogos de invencibilidade (94 dias), líder do campeonato, com força máxima e contra um adversário que estava mais perto da zona de rebaixamento que dos primeiros lugares. Mas o favoritismo acabou assim que a bola começou a rolar.

O Bahia surpreendeu e, ao contrário da maioria dos outros times, foi para cima do Corinthians, mesmo em plena Arena. A postura assustou o time da casa, que contou com Cássio inspirado para não levar gol. O time baiano mostrou o motivo de ter iniciado a rodada como a equipe que mais chutava em direção ao gol, dentre os 20 clubes da Série A.

Acuado, o Corinthians jogou no contra-ataque e, em um deles, conseguiu abrir o placar. Aos 24, Jô recebeu passe de Fagner, driblou o goleiro e mandou para as redes, minutos depois de ter perdido uma chance incrível dentro da área. Alívio temporário para os corintianos.

A boa organização do Bahia dificultou a vida de Fábio Carille, que do banco de reservas gritava e tentava organizar sua equipe. Os corintianos não conseguiam criar com qualidade, muito por causa da noite pouco inspirada de Jadson.

Na volta para o segundo tempo, o Bahia voltou ainda mais inclinado ao ataque e obrigou o Corinthians a viver a amarga e rara experiência de ser  pressionado dentro de casa.

A noite ainda reservava mais um percalço. O volante Gabriel, que não fez uma grande partida, foi expulso após cometer uma falta. Punição exagerada pelo árbitro, que talvez tenha tentado compensar pouco depois, dando o cartão vermelho para Renê Júnior - ou seja, tentou corrigir o erro cometendo outro.

Com dez em cada lado,  Jorginho e Carille  demonstraram suas intenções. À frente no placar, o corintiano fechou a equipe, colocando Camacho no lugar de Rodriguinho, e o baiano mandou seu time ainda mais para cima, com a entrada de Régis, Gustavo e João Paulo.

O resultado das alterações veio rápido: após cobrança de escanteio na área baiana, Romero desviou e Balbuena completou para as redes livre na pequena área. Aos 48, claramente abalados por terem lutado em vão, os baianos se atrapalharam na saída de bola, Marquinhos Gabriel recuperou a bola, bateu por cima do goleiro e fechou o placar com um golaço de cobertura.

FICHA  TÉCNICA

CORINTHIANS 3 X 0 BAHIA

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Pablo, Balbuena e Guilherme Arana; Gabriel, Maycon, Jadson (Marquinhos Gabriel), Rodriguinho (Camacho) e Romero; Jô (Kazim). Técnico: Fábio Carille.

BAHIA: Jean; Eduardo, Tiago, Rodrigo Becão e Matheus Reis; Renê Júnior, Feijão e Vinícius (Régis); Allione (Gustavo), Zé Raphael e Edigar Junio (João Paulo). Técnico: Jorginho.

Gol: Jô, aos 24 do 1º Tempo; Balbuena, aos 34; e Marquinhos Gabriel, aos 48 do 2º Tempo

Árbitro: Dewson Freitas da Silva (PA)

Cartões amarelos: Gabriel (2), Allione, Rodrigo Becão, Renê Júnior (2), Balbuena, Romero

Cartões vermelhos: Gabriel e René Júnior

Público: 34.250 pagantes

Renda: R$ 1.504.387,20

Local: Arena Corinthians, em São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.