Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians
Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians

Corinthians leva virada do Bahia e estreia no Brasileirão com derrota

Alvinegro abre o placar com Pedrinho no primeiro tempo, mas vê o tricolor levar a melhor na Fonte Nova

Dani Arruda, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2019 | 18h13

O Bahia derrotou o Corinthians de virada, por 3 a 2, neste domingo, na Arena Fonte Nova, em Salvador, na estreia das equipes pelo Campeonato Brasileiro.

Pedrinho, que completou 100 jogos com a camisa do Corinthians, abriu o placar. Arthur Caíke empatou ainda na etapa inicial. No segundo tempo, Artur e Rogério, com um belo gol de cobertura sobre Cássio, viraram o marcador para o Bahia. Clayson, nos acréscimos, deu número finais ao jogo.

Com os desfalques de Danilo Avelar, Gustavo, Henrique e Júnior Urso, todos se recuperando de lesões, o Corinthians não fez uma boa estreia. Na segunda rodada, o time busca a recuperação contra a Chapecoense, quarta-feira, 16h, na Arena de Itaquera. Na quinta, o Bahia vai ao Rio de Janeiro para encarar o Botafogo, às 20h, no Engenhão.

O JOGO

Se o primeiro tempo tivesse sido encerrado dentro do seu tempo regulmentar, aos 45 minutos, Bahia e Corinthians teriam sido vaiados após o apito final do árbitro. Campeões estaduais em 2019, os times fizeram uma primeira etapa fraca, sem chances reais de gols. Muita marcação, pouca criação.

A única emoção de toda a primeira etapa até o fim do tempo regulamentar não aconteceu através de chutes, dribles ou cabeçadas, mas com a utilização do VAR, aos 34 minutos. Nino Paraíba caiu dentro da área depois de uma disputa com Carlos Augusto. O árbitro Wilton Pereira Sampaio foi chamado pelo parceiro de vídeo para analisar o lance na lateral do gramado e decidiu que não houve o pênalti, para frustração da torcida tricolor.

Para a sorte do espetáculo, Wilton Sampaio deu quatro minutos de acréscimos e, neste tempo, dois gols saíram, um para cada time. Quem abriu o placar foi o Corinthians. Aos 46 minutos, Ramiro encontrou Pedrinho na entrada da área, que chutou forte e acertou o canto esquerdo de Anderson. Foi o sexto gol de Pedrinho com a camisa alvinegra.

O Corinthians ainda comemorava quando o Bahia deu a saída de bola e, 20 segundos depois, empatou o confronto. Aos 48 minutos, Nino Paraíba cruzou, Arthur Caíke se antecipou a Pedro Henrique, cabeceou e venceu Cássio, que reclamou do posicionamento da defesa corintiana.

SEGUNDO TEMPO

O segundo tempo começou e continuou com um Corinthians apático e pouco agressivo. O Bahia cresceu e partiu para o ataque em busca da virada. Aos 11 minutos, Cássio salvou o time de levar o segundo gol. O lateral Moisés acertou um belo chute da intermediária, o goleiro corintiano desviou e a bola acertou a trave esquerda.

Insatisfeito com o rendimento do time, o técnico Fábio Carille colocou Vagner Love em campo no lugar de Pedrinho. O Corinthians deu sinais de reação e respondeu com dois chutes de Clayson de fora da área: o primeiro passou com perigo sobre o gol; o segundo exigiu boa defesa de Anderson.

O Bahia voltou a dominar o jogo e chegou ao segundo gol aos 30 minutos. Rogério fez belo lançamento para Gilberto na esquerda, que cruzou para Artur. Ele se antecipou a Carlos Augusto e acertou o ângulo esquerdo de Cássio.

Após o segundo gol sofrido, o Corinthians não se encontrou mais em campo e foi presa fácil para o Bahia. Aos 38, Ramires lançou, Ralf falhou no corte, a bola sobrou para Rogério, que viu Cássio adiantado e deu um belo toque por cobertura. Nos acréscimos, o Corinthians ainda diminuiu com Clayson. Ele arriscou de fora da área e acertou o ângulo esquerdo de Anderson, dando números finais ao confronto.

Ficha Técnica

Bahia 3 x 2 Corinthians

Gols: Pedrinho, aos 46 e Arthur Caíke aos 48 minutos do primeiro tempo; Artur, aos 30 e Rogério, aos 38 minutos; Clayson, aos 49 minutos do 2º tempo.

BAHIA: Anderson; Nino Paraíba, Ernando, Lucas Fonseca e Moisés; Elton, Gregore e Ramires (Nilton); Artur, Fernandão (Gilberto) e Arthur Caíke (Rogério). Técnico: Roger Machado. 

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Manoel, Pedro Henrique e Carlos Augusto; Ralf, Ramiro (Mateus Vital), Pedrinho (Vagner Love), Sornoza e Clayson; Boselli. Técnico: Fábio Carille.

Juiz: Wilton Pereira Sampaio.

Cartões amarelos: Cássio, Boselli, Nino Paraíba, Carlos Augusto, Fagner.

Renda: R$ 804.545,00.

Público: 29.294 pagantes.

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.