Corinthians leva virada e segue na zona do rebaixamento

Flamengo vence por 2 a 1 no Maracanã e sonho de vaga na Libertadores fica ainda mais palpável

Rafael Argemon, Estadao.com.br

31 de outubro de 2007 | 23h55

O Corinthians lutou muito, foi por muitas vezes até melhor em campo, mas perdeu por 2 a 1, de virada, para o Flamengo, nesta noite de quarta-feira. O Goiás até que tentou ajudar a diminuir o drama corintiano, pois perdeu para o Vasco da Gama por 3 a 2, mas a derrota no Maracanã manteve o time alvinegro na zona do rebaixamento.   Veja também:  Corintianos lamentam derrota em que 'jogaram bem'  Classificação Calendário / Resultados   O primeiro tempo não foi como a torcida do Flamengo, que lotou o Maracanã, esperava. Os donos da casa não pressionaram tanto quanto se esperava e quando iam ao ataque, ou eram parados por diversas 'faltas de jogo' do meio-campo corintiano, ou esbarravam na zaga da equipe visitante, que jogava com extrema seriedade e não teve vergonha de afastar qualquer chance flamenguista com chutões.   Até os 26 minutos, nada de mais havia acontecido, com apenas uma finalização do Flamengo e nenhuma do Corinthians. Mas um minuto depois, em um contra-ataque rápido, Lulinha disparou pela direita, deu um 'drible da vaca' em Juan e chutou cruzado, e já com a bola passando do ângulo da meta flamenguista, o oportunista Finazzi se esticou todo e conseguiu dar um toquinho para dentro das redes do goleiro Bruno: 1 a 0 Corinthians.   A partir daí os donos da casa se desestruturaram. Seguiam tentando atacar o adversário, mas sem qualquer ordem e objetividade. Isso, somada as muitas faltas feitas pelo Corinthians no meio, deixaram o Flamengo nervoso e errando muitos passes. E foi em um desses erros, aos 38, que uma bola sobrou de graça para Iran. O ala-direita acertou um longo lançamento para Bruno Bonfim. O garoto ganhou do zagueiro, que puxou seu calção, mas o jovem atacante corintiano preferiu seguir na jogada e, cara a cara com Bruno, desperdiçou uma chance incrível.   Quando tudo se encaminhava para que a equipe comandada por Nelsinho Baptista chegasse ao intervalo com uma boa vantagem, aos 46, Maxi passa para Souza, o atacante devolve de calcanhar e Ibson, que chegava da meia, acertou de primeira no canto direito de Felipe, para o delírio da torcida flamenguista.   Descontente com o desempenho de seu time na primeira etapa, Joel Santana promoveu duas substituições no intervalo. Roger e Obina entraram nos lugares de Maxi Maxi Biancucchi e Souza, respectivamente.   Para o segundo tempo o Flamengo voltou com outra atitude. Passou a marcar a saída de bola corintiana e a tática se mostrou acertada logo aos dois minutos, quando em um bate-rebate na grande área do Corinthians sobrou no pé de Juan, que de frente para o gol adversário, chutou forte e o goleiro Felipe fez uma defesa espetacular.   Porém, na base dos lançamentos longos os corintianos voltaram a assustar os cariocas. Aos sete e aos nove minutos, dois cruzamentos perigosos que por muito pouco Lulinha e Fábio Ferreira, respectivamente, não acertam contra o gol de Bruno, assustaram os donos da casa.   Aos poucos, a forte marcação do Corinthians - como havia acontecido na primeira metade da partida - voltou a ditar o ritmo do jogo e irritando o Flamengo, que queria logo se livrar da bola e acabava por dar o controle da partida aos visitantes, que jogavam melhor e com muito mais consciência. As vaias ecoavam no Maracanã.   Mesmo assim, o Flamengo teve uma chance perigosíssima aos 23, quando Obina fez um ótima jogada individual e deixou Cristian de frente para Felipe, mas o volante, sem o mínimo faro do gol, encheu o pé e mandou a bola muito por cima da meta corintiana.   Empolgados com a chance perdida, a torcida flamenguista começou a incentivar a equipe, que respondeu ao apelo. Aos 28 a bola sobrou para o lateral-direito Leonardo Moura, que não quis saber e acertou, de primeira, uma verdadeira bomba na meta adversária, mas que mais uma vez parou em uma defesa linda de Felipe. Flamengo 2 Bruno; Leonardo Moura, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim (Rodrigo Arroz) e Juan; Jaílton, Cristian, Toró e Ibson; Maxi Biancucchi (Roger) e Souza     (Obina) Técnico: Joel Santana Corinthians 1 Felipe; Fábio Ferreira    , Zelão     e Betão; Iran, Carlos Alberto (Bruno Octávio), Moradei, Lulinha (Héverton) e Gustavo Nery; Bruno Bonfim (Arce) e Finazzi Técnico: Nelsinho Baptista Gols: Finazzi, aos 27 minutos, e Ibson, aos 46 do primeiro tempo; Roger aos 31 minutos do segundo tempoÁrbitro: Leonardo Gaciba (RS-Fifa)Renda: R$ 896.523Público: 62.062Estádio: Maracanã   E não durou mais do que três minutos para os donos da casa conseguirem o que tanto buscavam. Roger, ex-jogador do Corinthians, entrou na área com facilidade, a zaga pensou que ele iria cruzar a bola, mas o meia viu a possibilidade de chutar em gol e não perdoou, encheu o pé e a bola morreu no fundo das redes corintianas. E detalhe, foi o primeiro gol dele com a camisa do time rubro-negro.   A virada abateu demais o Corinthians, que se perdeu na partida. A torcida carioca cantava e o Flamengo só tocava a bola, administrando o resultado e deixando os visitantes correndo de um lado para o outro, sem saber o que fazer e dando chuveirinhos desesperados e ineficientes para a grande área flamenguista.   Aliás a fase do Corinthians é tão ruim, que no último minuto de jogo, em um desses chuveirinhos, a bola sobra para Finazzi, que dá um toque para o gol de Bruno, que estava livre, mas ela bate no pé do corintiano Héverton (que substituiu Lulinha), e acaba com as chances de empate de seu próprio time.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.