Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Corinthians luta contra a síndrome de 'Robin Hood' no Paulistão

Equipe tem bons resultados contra rivais, mas tropeça diante dos times do interior

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

09 Março 2018 | 07h00

O Corinthians parece ser um time que gosta de grandes jogos. Seria algo positivo, mas o problema é que a intensidade que demonstra em clássicos é o inverso do que acontece em confrontos contra equipes de menor expressão e essa campanha de "Robin Hood" tem causado preocupação ao técnico Fábio Carille e seus jogadores. 

+ Podcast Corinthians: Equipe precisa aprender a enfrentar times pequenos

+ Romero diz que Felipe Melo menosprezou Corinthians, mas nada aconteceu

A equipe alvinegra fez três clássicos no ano sendo duas vitórias (2 x 1 no São Paulo e 2 x 0 no Palmeiras) e um empate (1 x 1 com o Santos), tendo um aproveitamento de 77,8%. Já quando o compromisso é com times do interior, o desempenho despenca. Foram sete jogos, sendo três vitórias, um empate e três derrotas, o que dá um aproveitamento de 47,7%. 

Contra o Mirassol, na quarta-feira, mais uma vez o time teve dificuldades e só conseguiu a vitória nos minutos finais, após forte chute de Emerson Sheik, em um jogo que o time não conseguiu ir bem. "Temos que melhorar a concentração. Temos que ficar atentos em jogos grandes e jogos considerados mais fáceis", alertou o meia Jadson. 

A dificuldade contra times de menor expressão ocorre porque, geralmente, o Corinthians precisa propor jogo contra equipes do interior, que vão a campo mais recuadas e o time alvinegro tem tido dificuldade em segurar a bola e achar espaços para entrar na defesa adversária. 

O confronto da última quarta-feira teve ainda um outro problema para Carille administrar, a questão física. O time vinha de três partidas complicadas (contra Palmeiras, Millonarios e Santos) e chegou ao confronto com o Mirassol com alguns atletas bastante desgastados. Até por causa disso, Carille negou que tivesse visto o time sem concentração. 

"Vi o vestiário acesso, preleção lá em cima. Foi uma questão física, que a semana foi muito pesada. Não vi falta de concentração como em outros momentos", analisou o comandante corintiano.

Robin Hood é um super-herói inglês que ficou famoso por roubar dos ricos para dar aos pobres. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.