Corinthians luta para encerrar jejum contra Portuguesa

Sete jogos. Um gol, nenhuma vitória. Por fim a este jejum é o principal objetivo do Corinthians, que vai até Campo Grande (MS) para enfrentar a Portuguesa, rival em ascensão no Campeonato Brasileiro, neste domingo, às 16 horas, no estádio Morenão, pela 24.ª rodada. Tite só vê uma solução: os atletas têm de melhorar a pontaria. "O gol que fizemos contra o Goiás foi contra, essa é a verdade. Não dá para marcar um gol em sete jogos. Não dá".

VÍTOR MARQUES, Agência Estado

29 de setembro de 2013 | 09h17

O técnico tentou de tudo. Mudou a equipe, sacou Alexandre Pato, voltou a jogar com um pivô e apostou em dois meias. O melhor que ele obteve foi empatar por 0 a 0 com o líder Cruzeiro e com o Grêmio, pelas quartas de final da Copa do Brasil. "Pegamos o Cruzeiro e o Grêmio, que só se defendeu. Nós criamos, pouco mas criamos, o problema é que nosso grau de precisão está baixo. Falei isso para os atletas. Precisamos de um de mais concentração".

A estratégia de jogo, porém, não vai mudar. Tite vai manter Guerrero no time titular, usando o peruano como pivô, para liberar as subidas de Emerson pelo lado esquerdo e a de Edenílson pela direita. Foi assim que o Corinthians criou boas chances contra o Grêmio no primeiro tempo, quando foi melhor que os gaúchos.

A Portuguesa, espera Tite, não vai jogar tão na defensiva como fez o Grêmio, algo que incomodou muito Guerrero - o peruano deixou o jogo reclamando que a "bola não chegava". Edenílson vai continuar na lateral direita porque Alessandro, embora esteja recuperado de contusão, vai ficar no banco de reservas. Isso obriga Tite a manter Maldonado no meio de campo, o que torna o time mais defensivo.

E Tite deve insistir com Guerrero e Emerson, deixando Alexandre Pato no banco de reservas. Assim o time sentirá menos quando Pato for para a seleção, perdendo três jogos pelo Brasileirão - Guerrero deve ser liberado pela seleção peruana.

Um fator que preocupa - e muito - o treinador é o calor em Campo Grande e o horário da partida, que será disputada às 15 horas (horário local). "É afirmativo que a velocidade do jogo baixa, tô lembrando de Itália e Espanha (Copa das Confederações), os caras sentindo, o calor tira essa velocidade, a intensidade fica menor".

O jogo será disputado em Campo Grande porque a Portuguesa vendeu o mando da partida para prefeitura da cidade do Mato Grosso do Sul. O estádio Morenão tem capacidade para receber 29 mil pessoas e deverá estar lotado.

ABAIXO DO ESPERADO - Tite admitiu que o time faz uma campanha muito abaixo do esperado no Brasileirão. Essa sequência de resultados ruins derrubou o time na tabela de classificação, acabou com as chances de título e pôs um dúvida até a participação na Copa Libertadores. A pressão aumentou e ela só diminuiu porque Tite arrancou esses dois últimos empates.

"É uma campanha abaixo do que todos esperávamos, nós, atletas, direção e torcida, todos nós. Está abaixo sim", disse. Se não ganhar da Portuguesa, o Corinthians vai completar um mês em vitórias. A última foi dia 1.º de setembro contra o Flamengo (4 a 0).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.