Corinthians: Mascherano ganha espaço

Foi muito interessante o treino de hoje pela manhã no Parque Ecológico. Os jogadores olhavam mais para Mascherano do que para o próprio técnico Márcio Bittencourt. O argentino, que fará sua estréia neste domingo contra o Palmeiras, está ganhando espaço muito mais rápido do que ele mesmo esperava. "Eu não vim e não quero ser o centro das atenções. Fui contratado para ser mais um no conjunto que fará o Corinthians vencer o que disputa. Quem ganha os jogos e os títulos é o conjunto", discursa de forma convincente Mascherano, de 21 anos. "Ganhamos muito como time com a chegada dele. Porque não só marca forte como também tem talento para sair com a bola dominada. Tenho certeza de que o Mascherano dará certo no Corinthians", aposta Marcelo Mattos. Márcio não pode falar nada publicamente mas já deu aval para Mascherano ?acordar? Roger e Carlos Alberto, jogadores que têm alternado euforia com apatia durante os jogos. No River Plate ele cumpria essa função porque era o capitão do time. Mascherano dava tantas ordens que era conhecido em Buenos Aires pelo apelido de Chefito. Isso porque o ?chefe? era o treinador do River, Leonardo Astrada. Márcio disse que iria continuar o revezamento da faixa de capitão do Corinthians. A tendência é entregá-la neste domingo a Fábio Costa, depois de Betão e Gustavo Nery. Mas Kia Joorabchian deseja ver Mascherano como o capitão permanente da equipe. Márcio sabe disso. A fixação de Kia por Mascherano transcende a racionalidade. Afirmando ser um admirador e profundo conhecedor de futebol, o iraniano buscou o volante desde que fechou a parceria com o Corinthians. "Ele é o grande líder que o meu time precisa. O Mascherano tem uma personalidade diferenciada. Os argentinos sabem disso. Por isso chegou a titular da Seleção Argentina tão cedo", diz Kia. Tevez teve uma participação efetiva no convencimento de Mascherano a deixar o River Plate e vir para o Corinthians. O atacante fez questão de pegar o volante pela mão e o apresentou a cada um dos jogadores de time. Os dois são amigos desde meninos nas seleções de base da Argentina. "Eu tive de mudar de quarto. Não ficarei mais com o Carlitos. O seu companheiro agora é o Mascherano. É lógico que eu entendo", jura Betão. Pelos números serem fixos no Brasileiro, Mascherano teve de ficar com a camisa 3 - herdada de Anderson, vendido ao Benfica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.