Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Corinthians mostra apoio a Romero com frase contra xenofobia

Após jogador reclama do tratamento dado aos estrangeiros, clube usa a frase contra xenofobia no uniforme

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

11 Março 2018 | 21h25

O Corinthians encerrou uma semana polêmica com apoio total ao atacante Ángel Romero, que reclamou do tratamento dado aos estrangeiros pela mídia. Neste domingo, na vitória sobre o Botafogo, em Ribeirão Preto, o clube colocou a inscrição #XenofobiaAquiNão no espaço destinado ao patrocínio máster da camisa. O zagueiro Balbuena, outro paraguaio do elenco, já havia manifestado seu apoio ao compatriota.

Corinthians vence Botafogo e vai enfrentar o Bragantino

Na terça-feira, jogador reclamou das críticas da mídia que, segundo ele, são dirigidas aos jogadores estrangeiros. A entrevista foi convocada pelo próprio jogador para explicar a crítica que havia feito ao Santos no clássico quando chamou o time da Vila Belmiro de "time pequeno".

“Vi que a maioria dos jornalistas, não digo a torcida do Santos, se sentiram ofendidos. Por isso vi que muitos jornalistas são santistas. Mas queria deixar claro que assim como vocês se sentiram ofendidos, eu estou há quatro anos aqui no Brasil e, nas vezes que vocês me criticam dentro de campo, aceito, eu gosto das críticas para obviamente melhorar. Mas quando vocês falam da minha nacionalidade, do meu país, de onde eu nasci e da onde minha família é, aí eu não vou permitir. É extracampo”, afirmou o paraguaio.

"Eu supostamente ofendi um clube, que é o Santos. E vocês estão, na maioria, insultando um país, que é diferente. É totalmente diferente de um clube, que é parte do futebol, tem esse folclore do futebol tratar que uma equipe que é menor. Mas se tratando do país é outra coisa. Não digo que agora que passou isso. Faz quatro anos que estou aqui. Não é só aqui no Corinthians que tem essa situação, não é só comigo, Kazim e Balbuena, e sim com outros estrangeiros que vêm jogar aqui no Brasil. Acho que tem que ter mais respeito com jogadores que vêm jogar aqui”, reclamou o jogador.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.