Corinthians não diminuirá salários

A vitória sobre o Bangu por 3 a 1, sábado, no Canindé, pelo Torneio Rio-São Paulo, não foi suficiente para dar total tranqüilidade ao Corinthians. Uma notícia antes do jogo, atribuída ao vice-presidente de Finanças do clube, Carlos Mello, deixou os jogadores preocupados com o futuro. Segundo o dirigente, o Corinthians pretende chamar todos os jogadores durante a semana, pelo menos os que tem salários mais altos do clube, para propor um novo contrato por uma proposta mais baixa. O objetivo do Alvinegro é enxugar novamente a folha de pagamento diante da crise que a Hicks Muse, parceira do Corinthians, atravessa no momento. A empresa norte-americana de fundo de pensão deve diminuir sensivelmente o investimento no Corinthians, o que deverá afetar o futebol do clube. O plano será fazer um novo contrato com os jogadores, oferecendo um tempo mais curto de duração para compensar o prejuízo com a perda de salários. O vice-presidente de Futebol do Corinthians, Antônio Roque Citadini, afirmou, hoje, que o clube não vai propor esse tipo de negócio para os jogadores. "Não vamos mexer nos contratos de ninguém", afirmou Citadini. "Não há no clube essa política para mexer nos salários dos atletas. Indiferente a esse problema, o técnico Carlos Alberto Parreira considerou a vitória de sábado importante para o Corinthians continuar com chances de classificação para a próxima fase do Rio-São Paulo. O treinador destacou ainda que a classificação antecipada para a terceira fase da Copa do Brasil dará ao Corinthians folga na tabela do meio de semana na competição nacional. Assim, o Alvinegro terá mais condição para se preparar visando o jogo contra o Flamengo, domingo, no Maracanã, pelo Rio-São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.