Corinthians não esquece a Libertadores

Mesmo dizendo que a prioridade é se reabilitar no Campeonato Brasileiro, domingo, diante do Flamengo, no Pacaembu, o Corinthians não esquece a Libertadores. Geninho ainda não sabe se o jogo de volta, contra o River Plate, no dia 14, será no Pacaembu ou no Morumbi. "Isso eu só vou decidir depois do primeiro jogo. Vai depender do resultado na Argentina". Se o Corinthians perder em Buenos Aires é bem provável que o Morumbi seja o escolhido. Num campo maior, ficaria mais difícil para o River jogar armar uma retranca. Se o time de Geninho ganhar ou empatar no Monumental de Nuñes, a melhor opção passaria a ser o Pacaembu, onde a pressão da torcida corintiana seria bem maior. De sua parte, os jogadores estão ´aconselhados´ a não falar sobre Libertadores até segunda-feira. O argumento é o mesmo para todo mundo: o time está concentrado só no Flamengo. Nos bastidores, porém, o clube já trabalha pensando na logística que será usada na viagem a Buenos Aires. A idéia de Geninho é seguir para a capital argentina dois dias antes do jogo, desde que o Corinthians tenha condições de fazer pelo menos um treino no estádio onde vai jogar. "Caso contrário, se for para treinar aqui, seguiremos a programação normal, com viagem só na véspera". O quesito segurança também não foi esquecido. O Corinthians deve contratar uma equipe extra do Boca, principal rival do River na Argentina. Geninho sabe que a maior pressão deve acontecer no hotel e principalmente na chegada ao estádio. Daí a importância de reforçar a segurança com um ´time´ argentino. Quanto ao hotel, Geninho não considera a hipótese de hospedar o Corinthians fora de Buenos Aires. Mesmo sabendo que a torcida argentina costuma ´infernizar´ os seus adversários na véspera da partida, especialmente à noite, com muito barulho, a opção será por um hotel bem localizado, próximo ao estádio. A saída será escolher um andar bem alto e, de preferência, dos fundos. O River também tem sido exaustivamente estudado pelos corintianos. No último jogo, contra o Emelec, do Equador, dois olheiros foram enviados à capital argentina, mesmo sabendo que o River jogou desfalcado. Além disso, a Comissão Técnica conseguiu uma fita com as principais jogadas do time argentino, jogando em casa e como visitante. Geninho só não fala abertamente da Libertadores porque ele entende que a sua equipe deva se concentrar só no jogo contra o Flamengo, domingo, no Pacaembu. Uma vitória será bem vinda por duas razões: para melhorar a posição da equipe no Campeonato Brasileiro, e também pelo aspecto moral. "Não há dúvida de que uma vitória no domingo vai aumentar a confiança para o jogo seguinte, contra o River", admite o treinador. Contra o Flamengo, Cocito deve fazer a sua estréia no lugar de Fabinho, expulso na derrota para o Inter, em Porto Alegre. Além disso, o técnico estuda a hipótese de mudar o esquema, introduzindo um terceiro zagueiro ou até mesmo um terceiro volante de contenção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.