Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

'Corinthians não pode olhar para baixo nunca', afirma Jair Ventura

Apesar de o time estar ainda mais próximo da zona de rebaixamento, treinador mira o G6

O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2018 | 05h00

A vitória sobre o Bahia no sábado não afastou totalmente o risco de rebaixamento, mas deixou o Corinthians em uma situação mais confortável na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro. Apesar da distância ainda ser maior para o G6 - sete pontos - do que para o Z4 - cinco -, o técnico Jair Ventura prefere mirar o grupo que garante vaga na Libertadores de 2019.   

"Jogo a jogo, jogo a jogo. Em 2017, quando assumi como treinador (no Botafogo), estava em 17.º, e fomos chegando, chegando e terminamos em quinto. Se eu mudar isso, pode me cobrar. E por que não olho para baixo? Porque estou no Corinthians, e o Corinthians não pode olhar para baixo nunca", afirmou o treinador.

"Não estamos olhando para baixo, continuamos sem olhar para baixo, e olhamos sempre para cima. Se você me perguntar de meta, a gente quer jogo a jogo fazer o nosso melhor, e, quando chegar lá contra o Grêmio, dia 2 de dezembro, veremos se foi suficiente para chegar longe ou não", completou.

Jair Ventura elogiou o desempenho de Danilo. O meia-atacante foi o destaque do jogo ao marcar dois gols, mas também quase se tornou o vilão ao cometer pênalti em Nilton pouco antes de anotar o gol da vitória - Clayton converteu.

"O Danilo chamou todas as atenções, brinquei que ele foi tão protagonista que fez dois gols e ainda deu um para os caras. Feliz por ele, com toda a história, tudo o que já ganhou. É um cara que teve poucas oportunidades comigo, mas foi sempre profissional, a mesma pessoa", comentou o técnico. "Isso serve de exemplo para os mais jovens. Você olha para o lado e vê um Danilo esperando a oportunidade. Fico feliz que ele tenha entrado e sido protagonista, 2 a 1, tudo para ele, fico feliz."

 

 

Mais conteúdo sobre:
CorinthiansJair Ventura Filho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.