Corinthians não vai pagar Passarella

Kia Joorabchian reforçou o aviso aos seus advogados para não se deixarem impressionar com a ida de Daniel Passarella à Fifa para receber cerca de R$ 3,5 milhões que o Corinthians deveria lhe pagar como multa, por tê-lo demitido.O presidente da MSI já havia sido alertado: os advogados do treinador poderiam utilizar esse último recurso. Só que os defensores do Corinthians irão alegar que foi o argentino quem abandonou o emprego. "Pelo contrato, Passarella tinha seis atribuições. Uma delas era ser o treinador do time enquanto nós quiséssemos. Quisemos trocar o técnico, mas ele tinha a obrigação de continuar trabalhando como nosso diretor internacional. Buscar jogadores para o Corinthians, mas ele não fez isso. Simplesmente abandonou o cargo", diz o presidente Alberto Dualib, que se vê obrigado a uma aliança com o seu agora desafeto Kia.A contratação de Passarella foi uma aposta pessoal de Kia. O iraniano queria o status de um campeão mundial de futebol como jogador e ex-treinador da Seleção Argentina no comando do time corintiano. Só que os métodos rígidos de trabalho de Passarella não se adaptaram à rotina dos jogadores corintianos. Ao contrário. Houve uma reação silenciosa ao técnico. Ao demiti-lo do Corinthians, Kia esperava ter colocado um ponto final no caso. Iria pagar os seus salários até o final do contrato, mas o iraniano estava longe da verdade. Passarella quis, desde o início, receber o valor total da multa de uma vez. E, por essa razão, procurou a Fifa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.