Corinthians negocia salário e bônus com empresário de Tite

Reunião com Gilmar Veloz pode selar retorno do técnico campeão do mundo. Anúncio deve acontecer até segunda-feira, dia 15

Vítor Marques, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2014 | 07h00

O retorno de Tite ao Corinthians pode ser oficializado até sexta-feira, antes mesmo do prazo estipulado pela diretoria, na próxima segunda. O que ainda separa o treinador do clube é o acerto financeiro: salário e bônus por conquista de título. O departamento de futebol se reuniu nesta terça-feira no Parque São Jorge para traçar o planejamento para 2015. Ficou decidido que o nome de Tite era o melhor para assumir a vaga de Mano Menezes.

O empresário de Tite, Gilmar Veloz, chegou nesta terça-feira a São Paulo para se reunir com os dirigentes. “Estou aguardando a autorização do Tite para negociar”, disse Veloz ao Estado. Tite permaneceu em Porto Alegre e delegou as negociações ao seu agente. Veloz aguarda um encontro com dirigentes do clube para formalizar uma proposta.

O Corinthians acena com salários entre R$ 400 mil e R$ 500 mil, além de uma premiação milionária em caso de título da Libertadores – o time está classificado para a fase preliminar. Ainda assim, se o acerto for feito nessas bases salariais, Tite receberá salário menor que o de Mano Menezes.

Participaram do encontro da diretoria todos os principais cartolas do departamento de futebol. O presidente Mário Gobbi, o candidato a presidente da situação, Roberto de Andrade, o diretor de futebol Ronaldo Ximenes e o gerente de futebol Edu Gaspar.

O retorno de Tite começou a ser arquitetado antes mesmo da saída oficial de Mano Menezes, no último sábado. Gobbi já havia conversado com os candidatos a presidente para traçar o perfil do novo treinador. Até mesmo a oposição é a favor da volta de Tite. “Ele tem o DNA do Corinthians”, disse o candidato Paulo Garcia. 

As negociações com o empresário de Tite, contudo, só começaram nesta semana, depois de decretada a saída de Mano. Gobbi vai acertar o retorno de Tite porque sabe que nenhum candidato que vença a eleição em 7 de fevereiro vai demitir o treinador que conquistou os principais títulos da história do clube com apenas um mês de trabalho.

Outro treinador que estava na mira era Oswaldo de Oliveira, sem clube desde que foi demitido do Santos. Só depois da oficialização do nome do novo técnico, o Corinthians vai acelerar a contratações de jogadores. O primeiro a acertar com o clube deve ser o volante Cristian. A renovação de Guerrero é prioridade, mas o Corinthians não quer pagar R$ 18 milhões ao atacante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.