Costas Baltas/Reuters
Costas Baltas/Reuters

Corinthians encaminha acerto com português Vitor Pereira 20 dias após queda de Sylvinho

Comandante de 53 anos chega com acordo válido para as próximas duas temporadas; equipe está invicta com interino Fernando Lázaro

Pedro Ramos, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2022 | 19h34

O Corinthians tem acordo encaminhado com o português Vitor Pereira, de 53 anos, para ser o novo técnico do time pelos próximos dois anos. Desde a demissão de Sylvinho após derrota no clássico contra o Santos, a diretoria ficou 20 dias à procura de um novo nome enquanto o time é comandado pelo interino Fernando Lázaro, que soma três vitórias e um empate.

O Corinthians buscava um técnico estrangeiro experiente, de bom currículo e acostumado à pressão de um clube grande. O clube chegou a tentar Pereira no início do mês, mas ficou longe de um acerto, e focou seus esforços no compatriota Luis Castro, que agora está perto de assumir o Botafogo. O último técnico estrangeiro do Corinthians foi o argentino Daniel Passarella em 2005.

O time é o líder do Grupo A do Paulistão, com 14 pontos, após quatro vitórias, dois empates e uma derrota. Além do estadual, a equipe ainda disputará a Copa Libertadores, a Copa do Brasil e o Brasileirão.

O futebol brasileiro vive um boom recente de técnicos estrangeiros. Atualmente, são outros dois portugueses: Abel Ferreira, do Palmeiras, e Paulo Sousa, do Flamengo. Luis Castro é outro que deve integrar a lista e está perto de assumir o Botafogo.

Mas não são só os lusos que têm desembarcado em território brasileiro. Atlético-MG e Fortaleza são comandados pelos argentinos Antonio 'El Turco' Mohamed e Juan Pablo Vojvoda, respectivamente. Já Inter e Cruzeiro apostaram nos uruguaios Alexander Medina e Paulo Pezzolano. Os paraguaios também estão presentes com Gustavo Florentín e Gustavo Morinigo em Sport e Coritiba.

Quem é Vitor Pereira, novo técnico do Corinthians?

O português Vitor Pereira, de 53 anos, teve carreira modesta como jogador, atuando apenas por equipes pequenas. Sua carreira de técnico começou há 20 anos, passando por times menores até chegar ao posto de assistente do treinador André Villas-Boas no Porto em 2010. No ano seguinte, assumiu o cargo de técnico com a ida de Villas-Boas para o Chelsea. Na equipe portista, foi bicampeão português.

Em 2013, foi para a Arábia Saudita treinar o Al Ahly e, na temporada seguinte, se mudou para a Grécia para comandar o Olympiakos para o título grego e da Copa da Grécia. Também passou pelo Fenerbahçe, da Turquia, o 1860 Munique, da segunda divisão da Alemanha, e o Shanghai SIPG, em que conquistou o título chinês em 2018. Em julho do ano passado, esteve novamente no futebol turco para treinar o Fenerbahçe, mas foi demitido em dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.