Divulgação/Ceara SC
Divulgação/Ceara SC

Corinthians oferece contrato de risco para atacante que agrediu a namorada

Clube não desiste da ideia de apostar no garoto, apesar dos protestos da torcida nas redes sociais

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

08 Agosto 2018 | 16h09

Apesar da reação negativa de boa parte da torcida, o Corinthians está decidido a contratar o atacante Juninho por empréstimo do Sport e ofereceu ao jogador um contrato de risco. Caso ele aceite, o atleta de 20 anos deve assinar um contrato válido até o fim do ano que vem. O jovem é acusado de agredir a namorada, além de cometer diversos atos de indisciplinas

O contrato de risco é uma forma do clube se proteger contra eventuais problemas criados pelo jogador. No acordo, fica claro que caso Juninho faça algo que não seja considerado correto pelo clube, o contrato poderá ser rescindido e ele terá que voltar ao Sport sem qualquer pagamento de multa. 

O acerto está encaminhado desde terça-feira, mas assim que o Sport divulgou o acerto entre as partes, uma grande comoção tomou conta das redes sociais. Torcedores pediam para que o Corinthians não contratasse o jogador. Até uma hashtag #JuninhonoCorinthiansnão foi criada, mas a posição dos torcedores não alterou a programação dos dirigentes. 

Juninho foi acusado em novembro do ano passado de agredir a namorada, com quem teve uma relação por cinco meses. Em entrevista, a jovem agredida, que entrou com uma medida protetiva para que ele se mantivesse longa dela, contou o que aconteceu em uma das vezes em que foi agredida.

“Quando chegamos no apartamento, assim que descemos, eu disse que não dormiria com ele. Que apenas conversaria e iria embora. Foi quando ele me deu o primeiro tapa no rosto e as câmeras do prédio filmaram. Quando subimos, ele me trancou dentro do quarto e foi quando começou tudo. Que eu era obrigada a ficar com ele, porque, se eu saísse de lá, eu iria acabar com a carreira dele, porque todo mundo no clube já sabia que ele tinha me agredido. Quando falei que iria embora, ele levantou procurando uma faca, porque disse que teria que me matar, porque quando eu fosse embora, saberia que eu chamaria a polícia pelas agressões que ele fez. Deu murros no meu rosto, puxou o meu cabelo... E disse que teria que me matar para poder proteger a carreira dele”, contou a jovem.

Sem espaço no Sport, ele foi emprestado para o Ceará no começo do ano, mas também teve poucas oportunidades. Além da perseguição da torcida, o atacante também cometeu diversos atos de indisciplinas, como ficar acima do peso e não se comportar adequadamente no dia a dia. 

Veja a nota divulgada pelo Corinthians: 

O Sport Club Corinthians Paulista informa que irá se posicionar sobre a eventual vinda de Juninho, atleta do Sport que atuava pelo Ceará, tão logo seja definida sua contratação ou não pelo Centro de Formação de Atletas (Base). No momento, o clube aguarda algumas definições do atleta sobre exigências feitas pela agremiação relativas ao seu comportamento extracampo.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians futebol Juninho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.