Glyn Kirk/AFP
Glyn Kirk/AFP

Corinthians oferece pacote social para convencer Drogba

Apoio à fundação do atacante e amistoso na Costa do Marfim são argumentos para tentar convencê-lo a jogar no Brasil

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2017 | 07h01

O Corinthians aguarda pela definição do atacante Didier Drogba, que tem outras três opções para escolher sobre seu futuro, e o sentimento no clube é distinto. Os que querem a contratação do jogador apostam que ele vai dizer sim; os que são contra acham que a chance é muito pequena. Para ter êxito, foram oferecidos alguns benefícios extras para o atleta. 

Dentre outras vantagens, o Estado foi informado que o Corinthians aceita doar parte da renda que seria obtida com a venda de camisas do atacante para a Fundação Drogba, uma instituição criada pelo atacante para ajudar menores carentes. Também concorda em abrir uma sala no Parque São Jorge para ser utilizada pela fundação – o que ajudaria na arrecadação de doações –, além de firmar uma parceria da escolinha oficial do clube com a instituição.

Esse aspecto social foi bastante discutido na reunião em que Gustavo Herbetta, ex-diretor de marketing do Corinthians, e que negocia em nome do clube, teve com os representantes do atleta, na Inglaterra. De acordo com Herbetta, eles ficaram muito animados com o que ouviram e já repassaram as informações para o jogador. 

Também foi combinado um amistoso do Corinthians na cidade de Abidjan, capital da Costa do Marfim, onde nasceu o atacante. A ideia do clube é aproveitar para popularizar sua marca pelo mundo, em especial no continente africano, onde predominam os clubes ingleses.

A parte financeira não é problema. O clube acertou com os empresários do marfinense um salário de R$ 350 mil, mais bônus, que podem fazer o valor chegar em R$ 500 mil mensais, que seriam pagos por meio de ações de marketing.

Além do Corinthians, estão na briga pelo jogador o Olympique de Marselha e o Montreal Impact, seu último time. Existe ainda a remota possibilidade de ele se aposentar, pois está com 38 anos.

O Montreal ofereceu salário maior do que o Corinthians enquanto os franceses têm a seu favor o fato de o jogador ter tido uma passagem de grande sucesso no clube, entre 2003 e 2004. Porém, recentemente a torcida do Olympique levou faixas ao estádio criticando o jogador, que deixou a equipe para ganhar bem mais no Chelsea.

A concorrência de outros clubes não é o único problema para o Corinthians. O clube ficou sabendo recentemente que Drogba conta com muitos empresários e que um deles ficou irritado por não fazer parte das conversas e prometeu emperrar o negócio caso não receba sua parte na transação. 

Herbetta voltou de Londres sem uma definição, mas está confiante. Ele se reuniu com representantes do jogador, apresentou o projeto e aceitou algumas exigências feitas pelo atleta, como carro blindado, um apartamento e a possibilidade de viajar para rever a família em alguns momentos.

Virou novela. No clube, as opiniões e sensações são bem distintas. Pessoas ligadas ao futebol, que são contra a contratação, acreditam que a chance de o negócio prosperar é remota. Já os responsáveis pelo marketing e o presidente Roberto de Andrade mantêm o otimismo, mas admitem que a negociação pode se estender por mais alguns dias.

Drogba jogou a última temporada pelo Montreal Impact, do Canadá, onde teve problemas com o treinador, com quem se desentendeu por não aceitar a reserva. Passou a maior parte do tempo no banco e também discutiu com torcedores de times rivais.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    CorinthiansFutebolDrogba

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.