Corinthians paga 13º até sexta-feira

Os jogadores do Corinthians devem receber a primeira parcela do 13º salário até sexta-feira. Uma comissão representando o elenco, formada por Vampeta, Rogério e Fabinho, ouviu da diretoria a promessa de que o dinheiro vai mesmo cair na conta antes do final de semana. Os dirigentes só não informaram se os outros funcionários do clube serão tratados da mesma forma. A reunião dos jogadores foi com o vice-presidente de Futebol Antonio Roque Citadini e com o diretor-técnico Roberto Rivellino, hoje à tarde, no Parque São Jorge. Nenhum dos cinco participantes quis falar com os jornalistas no final do dia. A única informação veio por intermédio da assessoria de imprensa. "Segundo me passaram, o Mello (Carlos Roberto de Mello, vice-presidente financeiro) garantiu que a primeira parcela do 13º será depositada na sexta-feira. E que a segunda será quitada no dia 20, como manda a lei", disse o assessor de imprensa do clube, Luciano Signorini. O volante Fabinho disse que acompanhou as negociações de longe, como observador. "Quem mais falou foi o Vampeta. Como ele disse que está tudo certo, estamos tranqüilos". O que mais assustou o elenco foi a hipótese de que o clube não tivesse como honrar o pagamento do 13º. Mas alguém da diretoria esclareceu que a lei dá aos patrões o direito de quitar totalmente o 13º em 20 de dezembro - e que não há o menor risco de calote por parte do Corinthians. Vampeta, que não havia aparecido para treinar no dia seguinte, treinou normalmente pela manhã, no Parque Ecológico do Tietê. Ele explicou que teve de resolver problemas particulares. Esclareceu ainda que tinha comunicado o clube sobre a necessidade de se ausentar. "Já passou, acertei tudo com o Rivellino. Agora é trabalhar e buscar o melhor condicionamento físico para enfrentar o Paraná, no sábado". Vampeta reclamou da repercussão de sua ausência na terça-feira. "O problema é que tudo o que eu faço ou o que falo tem uma dimensão exagerada. Não posso falar um ´A´ que já dão um valor imenso para isso". O volante parece ter esquecido de ele é que costuma alimentar polêmicas. A última delas foi num programa de tevê, quando ele disse que não jogaria mais no Corinthians em 2003, desprezando na ocasião até a presença do vice-presidente de Futebol Antonio Roque Citadini na ocasião. De sua parte, o técnico Juninho preferiu se concentrar nos seus problemas dentro de campo, que, aliás, não são poucos. Para o jogo de sábado, às 18h, contra o Paraná, no Pacaembu, ele tem problemas para montar a equipe. Além do zagueiro Marquinhos, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, Gil sofreu um entorse no tornozelo direito e está vetado. Os substitutos devem ser definidos no coletivo de amanhã cedo, no Parque São Jorge. Hoje à tarde, no Parque São Jorge, o time reserva fez um jogo-treino contra a Portuguesa Santista. O placar foi 1 a 1. E o desempenho corintiano não empolgou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.