Corinthians: para ganhar coração da Fiel

"É o jogo para ganhar de vez o coração da Fiel. Vamos jogar para ganhar por quatro gols de diferença. Temos potencial para isso. E provaremos em campo", aposta, confiante, Carlos Alberto. A primeira prova de que o investimento de R$ 186 milhões da MSI valeu a pena está marcada para estas quarta-feira, às 20h30, no Pacaembu, contra o Cianorte. 34.200 apaixonados corintianos já compraram ingressos para se juntar aos 11 do time. Eles acreditam na façanha histórica do clube de coração: reverter a grande desvantagem da derrota por 3 a 0 e conseguir passar para as oitavas-de-final da Copa do Brasil. Gil e Coelho, contundidos, estão fora da partida. Daniel Passarella acredita que o segredo na busca dessa façanha está nesse apaixonado casamento da torcida com o time. "O comportamento da torcida corintiana é perfeito. Não tenho que pedir nada. Ela sabe como puxar o time. Teremos vontade, garra, coração para buscar os quatro gols de vantagem. Só não podemos confundir determinação com desespero", alerta, preocupado, o técnico argentino. Passarella trabalhou de uma maneira interessante. Ele correu contra a corrente: percebeu que o Cianorte tem sim uma boa equipe. E para ganhar por goleada, só com boa estratégia. Apenas coração e nomes não assegurarão a façanha. "Conversamos com o Passarella. Ele foi bem específico: de nada adianta se matar atrás da goleada e dar espaço para um contragolpe perfeito do Cianorte. Só ganharemos a vaga se tivermos coragem, mas inteligência, paciência", alerta o zagueiro argentino Sebá. Para um jogo completamente fora do normal, Passarella quer um comportamento físico diferente, o estilo que o Corinthians tentará impor será mais próximo do futebol europeu do que o malemolente brasileiro. Ele não quer toques para o lado. Deseja ataque em velocidade, em bloco. "Precisamos ser objetivos, criar e ter calma para fazer os gols. Não adianta afobar na hora de concluir. Não adianta criar chance e desperdiçar. Se tivermos calma, faremos os gols", aposta Roger. A única dúvida efetiva de Passarella está entre o namorado de Adriane Galisteu e Hugo. A lentidão de Roger trabalha contra ele nesta partida que o técnico argentino pretende deseja ser empolgante do primeiro ao último minuto. "Eu sei que estou jogando bem. Quero demais participar dessa partida, mas quem define é o meu técnico. O que vier, está ótimo", diz, humilde, Hugo. Passarella exagerou nos ensaios de finalização com Tevez. O atacante gosta de falar que cresce em partidas decisivas. Para estimulá-lo, o treinador o provoca, pedindo que marque os gols que o Corinthians precisa amanhã à noite. Kia Joorabchian não quis dar um centavo a mais como motivação para o jogo. Ele acredita que a MSI já paga bem demais os salários e que a classificação é uma missão obrigatória para o caro time que montou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.