Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Corinthians passa dos R$ 475 milhões de dívida e recorre a empréstimos bancários

Futebol fecha no azul, mas parte social continua causando prejuízo ao clube

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2018 | 16h01

O Corinthians divulgou nesta terça-feira o balanço financeiro dos três primeiros meses do ano e mostrou que sua dívida aumentou 6%, passando de R$ 448,4 milhões para R$ 475,9 milhões. Para conseguir honrar seus compromissos, o clube precisou pegar R$ 12 milhões de empréstimos bancários, embora tenha recebido R$ 38,5 milhões com a venda de jogadores. 

+ Andrés Sanchez diz que Corinthians vai engrenar após a Copa do Mundo

+ Corinthians acerta mais dois amistosos para jogar durante a Copa

O vilão das finanças corintianas é o clube social, que fechou no negativo em R$ 8,5 milhões. Por outro lado, o futebol ficou no azul, com R$ 5,8 milhões. Vale lembrar que os dados são até março, logo, não está contabilizada a venda do volante Maycon ao Shakhtar Donetsk, da Ucrânia. 

Além da venda de jogadores, o Corinthians também faturou R$ 51 milhões com direitos de transmissão de TV, R$ 6,6 milhões em patrocínios - lembrando que o clube não tem um patrocínio master - e mais R$ 2,4 milhões com o programa de sócio-torcedor Fiel Torcedor, dentre outras receitas. 

Em relação as despesas, os valores mais relevantes são R$ 10,9 milhões de custos com a contratação de jogadores além de R$ 12 milhões de gastos com a área social. Reduzir os custos do Parque São Jorge foi uma das promessas de campanha do presidente Andrés Sanchez.

A falta de recursos faz com que a diretoria deixe claro que não pretende fazer grandes investimentos na contratação de reforços e que a aposta será em jovens atletas, como os atacantes Matheus Matias e Bruno Xavier e o meia Thiaguinho.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.