Reprodução/ Twitter
Reprodução/ Twitter

Corinthians pede punição para o Boca Juniors por racismo e incidente em La Bombonera

Torcedor argentino imitou um macaco em direção ao espaço destinado aos corintianos; brasileiros também tiveram dificuldades para ingressas no estádio

Redação, Estadão Conteúdo

20 de maio de 2022 | 17h58

O Corinthians, juntamente com a Federação Paulista de Futebol (FPF), pediu, nesta sexta-feira, por intermédio de ofícios protocolados à Conmebol, a punição do Boca Juniors por causa dos incidentes ocorridos na partida de terça-feira, em La Bombonera, Buenos Aires, pela quinta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores.

Dois fatos indignaram a diretoria corintiana. O primeiro foi um vídeo veiculado nas redes sociais que mostrou um torcedor do Boca imitando macaco antes do início da partida, repetindo o ocorrido do jogo de ida, na Neo Química Arena, quando um torcedor argentino acabou preso e depois liberado por fiança.

O outro motivo que fez o Corinthians exigir uma punição ao Boca Juniors foi, segundo os dirigentes, o mau tratamento dado aos torcedores corintianos que estiveram em La Bombonera. A polícia teria demorado na escolta e revista dos ônibus, fazendo com que boa parte da torcida que esteve na capital argentina só pudesse entrar no estádio para ver o segundo tempo.

Os presidentes Duílio Monteiro Alves, do Corinthians, e Reinaldo Carneiro Bastos, da FPF, se reuniram na quinta-feira, quando decidiram em fazer os pedidos de punição do Boca para a Conmebol.

Recentemente, a entidade sul-americana fe mudanças em seu Código Disciplinar para aumentar as punições contra clubes, torcedores e jogadores que se envolvessem em casos de discriminação. Situações recorrentes de racismo contra brasileiros foram presenciadas em jogos de Palmeiras, Corinthians, Flamengo, Fortaleza, Red Bull Bragantino e Fluminense nas fases iniciais da Copa Libertadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.