Corinthians perde, mas segue na 1ª Divisão

De favor, o Corinthians não caiu para a Segunda Divisão do Campeonato Paulista. Ficou em dívida com o São Paulo, que venceu o Juventus por 2 a 1 e garantiu a permanência dos corintianos na Série A-1. Porque se dependesse do próprio futebol, o time do técnico Oswaldo de Oliveira teria caído: jogando assustadoramente mal, perdeu por 1 a 0 para a Portuguesa Santista, neste domingo, no Pacaembu. "Nós temos de ser homens e agradecer ao São Paulo por não termos sidos rebaixados. Nosso time deu vergonha neste campeonato. Fiquei com pena dos torcedores", desabafou Váldson.Oswaldo de Oliveira escalou o Corinthians da maneira mais previsível possível. Mesmo diante da importância do jogo que poderia custar o rebaixamento, o treinador não preparou nenhuma surpresa tática. E ainda apostou na lentidão. Bancou o veterano Rincón, readaptado "na marra" como meia, e Rodrigo, totalmente fora de ritmo, pois ficou um mês para se recuperar de contratura na coxa direita.O Corinthians dependeria dos dois para tentar articular jogadas para os pouquíssimos inspirados Bobô e Gil. Do outro lado, o técnico Nenê montou a Santista no esquema 3-5-2. Colocou Axel para acompanhar Rodrigo. E bastou. O primeiro tempo corintiano foi um tormento.Os gritos de incentivo dos torcedores foram se calando com o passar do tempo. Rodrigo era figura decorativa em campo e ainda roubava o espaço ocupado por Gil. Ao mesmo tempo, Rincón se embolava com Fabinho. Os laterais Rogério e Vinícius, tímidos, também nada produziam. Mesmo diante da fragilidade corintiana, faltava coragem à Portuguesa para tentar vencer.O técnico corintiano fez a sua obrigação e tirou Rodrigo. Tinha de colocar qualquer um. Bastaram dois minutos e um torcedor invadiu o gramado para protestar contra o time.O que era ruim, continuou ruim. O Corinthians não conseguia atacar e passou a levantar a bola na área. A falta de imaginação encorajou a Portuguesa. A humilhação aumentaria quando, aos 29 minutos, Reinaldo dominou na entrada da área e chutou. A bola ainda desviou em Diguinho, enganando Rubinho: 1 a 0 para a Portuguesa.O Pacaembu se calava. Humilhado. Entristecido. Oswaldo trocava os jogadores inexpressivos que possuía. E o time não melhorava. A raiva passava a tomar conta dos torcedores, que ameaçavam atletas e diretoria.No campo, desespero. A ponto de o baixo Rubinho abandonar o gol e tentar o cabeceio em cobrança de escanteio. Nada conseguiu. E o jogo acabou. Os torcedores não saíam do Pacaembu. Agoniados, esperavam o final da partida do São Paulo. Cabisbaixos e envergonhados aceitavam o favor que evitou o rebaixamento. Mas sabiam que, graças à incompetência da diretoria, Comissão Técnica e jogadores, ficariam eternamente em dívida com o rival São Paulo.

Agencia Estado,

14 de março de 2004 | 19h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.