Andrés Cristaldo/EFE
Andrés Cristaldo/EFE

Corinthians perde para o Guaraní-PAR com falhas de Cássio e Felipe

Derrota por 2 a 0 deixa time em situação complicada para a volta

VÍTOR MARQUES, O Estado de S. Paulo

06 de maio de 2015 | 21h45

O Corinthians começou com tudo a Copa Libertadores, mas fraqueja no início dos jogos decisivos. A derrota por 2 a 0 para o Guaraní, nesta quarta-feira, no estádio Defensores del Chaco, em Assunção, no Paraguai, obriga o time do técnico Tite a vencer por três gols de diferença na próxima quarta, no estádio Itaquerão, em São Paulo, para avançar às quartas de final.

O jogo foi marcado por falhas individuais. O goleiro Cássio errou feio e levou um frango no primeiro gol do Guarani; Felipe vacilou no segundo. Para quem pensava em recuperar o bom futebol, foi desastroso. Foi o quarto jogo seguido sem vitória.

É verdade que o Guaraní tinha três zagueiros e três volantes, ou seja, uma retranca bem feita. Não seria fácil, portanto, chegar ao gol de Alfredo Aguilar. O que não se imaginava é que esse esquema travasse tão bem o Corinthians no primeiro tempo.

O time de Tite, cuja característica é o toque de bola e a triangulação, manteve o controle do jogo, mas não foi agressivo. Na verdade, foi pouco efetivo no ataque. Primeiro porque os armadores não tinham espaço. Nem Jadson, nem Elias e tampouco Renato Augusto. Além disso, a aposta na escalação não deu certo. Foi ineficaz a entrada de Luciano. Ele foi péssimo no ataque e também não cumpriu sua função defensiva. Deixou espaços demais no meio de campo.

Sobrou para Guerrero. Se já é difícil voltar ao time depois de um mês afastado, jogar isolado também não é a melhor solução. Em uma chance que teve, ele se precipitou e fez algo que não combina com um jogador de seu quilate: isolou uma bola, mandando por cima do gol.

Este chute, a primeira finalização do Corinthians, aconteceu aos 30 minutos e simbolizou o que foi o ataque do time de Tite na etapa inicial. Outra constatação de que tudo andava mal: Gil, aos 41, evitou, em cima da linha, um gol do Guaraní. Benítez, que estava livre, errou feio.

O segundo tempo começou com o Guaraní perdeu outra chance incrível. Até que veio o gol. Santander cobrou falta de muito longe. A bola foi rasteira, fácil, mas Cássio a deixou escapar. O goleiro ainda tentou, em vão, evitar o frango.

O gol do Guaraní saiu aos 14 minutos do segundo tempo. E Tite, que não tinha mexido no time, retardou ainda mais uma substituição. Manteve Luciano no time e deixou Vagner Love e Malcom no banco de reservas. O Corinthians só reagiu depois de levar o gol. Guerrero por pouco não concluiu um cruzamento e Fábio Santos quase empatou o jogo - acertou um chute na trave.

Após as alterações de Tite, o Corinthians até ganhou mais pegada e melhorou em campo. Mas ao tentar buscar o empate, sofreu o segundo, marcado por Contreras aos 38 minutos, em um contragolpe em que Felipe não conseguiu parar o paraguaio. Daí até o final, pressão corintiana sem efeito.

FICHA TÉCNICA

GUARANÍ 2 x 0 CORINTHIANS

GUARANÍ - Alfredo Aguilar; Juan Patiño, Julio César Cáceres e Rubén Maldonado; Eduardo Filippini (Contrera), Tomás Bartomeus, Luis de la Cruz, Marcelo Palau e Jorge Mendoza; Federico Santander (Fernando Fernández) e Julián Benítez (Juan Aguilar). Técnico: Fernando Jubero.

CORINTHIANS - Cássio; Fagner, Felipe, Gil e Fábio Santos; Ralf (Bruno Henrique), Elias, Jadson (Malcom) e Renato Augusto; Luciano (Danilo) e Guerrero. Técnico: Tite.

GOLS - Federico Santander, aos 14, e Contrera, aos 36 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Fábio Santos e Felipe (Corinthians).

ÁRBITRO - Daniel Fedorczuk (Fifa/Uruguai).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Defensores del Chaco, em Assunção (Paraguai).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.