Corinthians pode acertar com a Nike

Se dentro do campo o Corinthians vive fase positiva, com presença garantida nas finais de duas das mais importantes competições do futebol brasileiro - Copa do Brasil e Torneio Rio-São Paulo -, fora dele a história é diferente. Em meio à novela do acerto do novo contrato com a parceira, o fundo de investimentos norte-americano Hicks, Muse, Tate & Furst (HMTF), outra novidade promete agitar os bastidores do Parque São Jorge: a substituição da Topper pela Nike no fornecimento de material esportivo.De acordo com informações levantadas pela Agência Estado, os primeiros contatos já foram feitos e as duas partes demonstraram interesse no acerto. A idéia seria iniciar o novo projeto a partir de janeiro de 2003, uma vez que o atual contrato com a Topper vigora até o fim do ano.Entre os dirigentes corintianos, a troca da empresa fornecedora é vista como vantagem em três aspectos estratégicos: distribuição e logística, imagem internacional e valor pago ao clube.O primeiro quesito é o que mais está pesando na decisão. Os dirigentes não estão satisfeitos com o sistema de distribuição da Topper. Dizem que, mesmo no interior do Estado, onde a presença da torcida corintiana é grande, é constante a reclamação de pessoas interessadas em comprar a camisa oficial do time. Não conseguem encontrá-la em loja alguma. "Já houve um caso, em Ribeirão Preto, de os torcedores reclamarem comigo. Liguei para o pessoal da Topper e os coloquei em contato com ele", lembrou o vice-presidente de futebol, Antonio Roque Citadini. O dirigente, no entanto, não quis comentar os contatos com a Nike.Outro ponto analisado é a força da multinacional norte-americana no mercado internacional. Uma das questões que mais atormentam os corintianos é o fato de o clube não ter conseguido, até agora, capitalizar em cima do título de campeão mundial de clubes da Fifa, conquistado em 2000. Com uma empresa como a Nike é maior a possibilidade de divulgar a imagem do clube fora do País. Além disso, no caso de a troca da empresa fornecedora se concretizar, o novo contrato será superior aos R$ 2,5 milhões/ano pagos atualmente.Surpresa - Ao ser questionado sobre o assunto, o gerente da Nike no Brasil, Ingo Ostrovsky, dissimulou. Disse que o Corinthians interessa, "assim como todos os outros grandes clubes do País." A concretização do contato representaria para a empresa a entrada no futebol paulista. Até aqui, a Nike estampa sua marca na camisa da seleção brasileira e do Flamengo.Já o gerente de marca da Topper, Adriano Besso, se mostrou surpreso com a informação. "Estou admirado. Nosso relacionamento com o Corinthians sempre foi muito bom e não acredito que haja interesse em qualquer rompimento", afirmou. "Desde o ano passado enfrentamos essa história sobre o interesse da Nike."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.