Corinthians prepara pequena reformulação para Série B

Além de contratar o lateral-esquerdo Wellington Saci, clube corre atrás de mais três reforços

Vitor Marques, Jornal da Tarde

14 de março de 2008 | 09h49

O Corinthians remodelou o elenco para o início desta temporada e já conseguiu resultados - é o segundo colocado no Paulistão. Mas a diretoria corintiana prepara outra mudança, desta vez em menor escala, para a disputa da Série B do Brasileiro, a partir de maio. A segunda fase de contratações do Corinthians começou com o acerto com o lateral-esquerdo Wellington Saci, que ficará no Itumbiara até o fim do Campeonato Goiano antes de vestir a camisa corintiana. E deve levar mais três jogadores para o Parque São Jorge antes da Série B do Brasileiro. Nesta semana, a diretoria retomou as conversas com o meia Douglas, do São Caetano, e ainda corre atrás de um lateral-direito e um atacante. Após o rebaixamento no Campeonato Brasileiro, no ano passado, o Corinthians dispensou 20 jogadores e contratou outros 15 para o Campeonato Paulista. Parte dos reforços foi aprovada, como os zagueiros Chicão e Willian e o lateral-esquerdo André Santos. Mas algumas apostas da diretoria não deram certo e podem deixar o clube antes do início da Série B - fazem parte desse grupo o meia Marcel e o atacante Lima. Passadas três rodadas do Paulistão, dois jogadores contratados pelo Corinthians nesta temporada sequer tiveram chances de estrear: o meia Rafinha, e o zagueiro Valença. Por isso mesmo, eles também integram o "grupo de risco", que pode deixar o clube antes da Série B. A saída de jogadores é natural para evitar um "inchaço" do elenco. Se chegarem reforços e ninguém sair, haverá uma superpopulação sob as ordens do técnico Mano Menezes. Além disso, há jogadores em recuperação de lesão que logo poderão se reintegrar ao elenco, como Marcelo Oliveira, Dinélson e Nílton. "A segunda fase de contratações, duas, três peças, é para cobrir carências que a primeira etapa de investimentos não supriu. Nosso elenco tem potencial, tem um perfil, mas falta acertar alguns detalhes", explicou o vice-presidente de futebol do clube, Mário Gobbi. NOMES PRETENDIDOSPor Douglas, sonho antigo da diretoria, o Corinthians se dispôs a desembolsar R$ 3 milhões. Mas o presidente do São Caetano, Nairo Ferreira de Souza, dono de 100% dos direitos federativos do atleta, descarta negociar o meia por esse valor. "Temos duas propostas de clubes do exterior bem maiores do que essa do Corinthians, que eu não recebi oficialmente", disse Nairo Ferreira de Souza. Ele cita um clube da Ucrânia (o Shakhtar Donetsk), que ofereceu 5 milhões de euros (R$ 13 milhões). E garante que um clube da Alemanha acena com 6 milhões de euros (R$ 15,6 milhões). São propostas cerca de cinco vezes acima do que o Corinthians pode pagar. "O Douglas é desses meias que nos interessam, mas não faremos nada em valores fora da realidade brasileira", garantiu Mário Gobbi, que lamentou não ter fechado com o lateral-direito Jancarlos, do Atlético-PR. "Ele preferiu o São Paulo", afirmou. Sobre a busca por atacantes, o dirigente corintiano afirmou que não haverá contratações "bombásticas" e que o clube trabalha três nomes para a posição.

Tudo o que sabemos sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.