Corinthians preparado para se vingar

A seriedade com que Tite encara o clássico foi refletida hoje no Parque Ecológico. Nada de rachão, como gostam os atletas. Treino tático e jogadas ensaiadas. Fez questão de aproveitar até o último instante para preparar o melhor possível o Corinthians para a vitória. Quer fazer do jogo um marco no seu trabalho. Não só recuperar o time no Brasileiro, buscar a vingança pela vexatória derrota por 4 a 0 no primeiro turno, atrapalhar o rival na briga pela liderança e ainda mostrar ter condições de comandar no futuro a ?superequipe? prometida pelo dinheiro russo da MSI. O treino foi acompanhado por quase duzentos torcedores. Nunca tantos corintianos foram ao distante CT. O que só reforçou para o técnico a pressão pela vitória. "O Tite insistiu na necessidade de vencer o Palmeiras. Um vitória nos fará um bem enorme. Estamos precisando dar a arrancada decisiva na briga para ficar entre os primeiros com chance de ficar com o título", destaca Jô. "Nada melhor do que derrotá-los. Estamos supermotivados", deixa escapar o agora titular absoluto do ataque ao lado de Gil. Marcelo Ramos agora é reserva de Jô. Correndo pelo campo segurando a bola nas mãos, Tite mostrava aos jogadores que para derrotar o Palmeiras só atuando de forma compacta, competitiva. Fazia parte dos planos mostrar o teipe da derrota no primeiro turno por 4 a O, quando o time era treinado por Oswaldo de Oliveira. "Fizemos tudo de errado, demos espaço. Fomos apáticos. Eu não joguei, vi tudo de fora. Foi um período ruim, uma página virada. Agora a realidade é outra. E tem mais, eu sou pé quente. Nunca perdi pelo Corinthans contra o Palmeiras. Ganhei duas e empatei duas", garante Fabinho. Tite repetiu diversas vezes aos seus jogadores que o trunfo do rival é o conjunto, a briga pela disputa da bola. E o oportunismo do ataque. Um time sem brilho técnico - principalmente com Pedrinho fora -, mas efetivo, competente. "Entendemos o que o Tite quis nos passar. Precisamos encarar o Palmeiras com força, vibração, vontade. É assim mesmo como eles gostam de jogar. Nós também. Aprendemos a formar um time competitivo", assegura Fábio Baiano. Tite acredita que no clássico de tanta marcação de lado a lado, a bola parada poderá decidir a partida. Para um lado ou outro. Tanto que passou durante toda a semana fazendo Jô, Anderson, Fabinho, Marcelo Oliveira, Betão e Renato aprimorar as cabeçadas. "Ninguém terá muita chance para marcar, não. Por isso, uma cabeçada pode definir o jogo. Estamos preparados", assegura, animadíssimo, Anderson. Corinthians: Fábio Costa: Anderson, Marcelo Oliveira, Betão e Edson; Bruno Octávio, Fabinho, Fábio Baiano e Renato; Jô e Gil. Técnico: Tite.

Agencia Estado,

28 Agosto 2004 | 15h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.