Alex Silva/ Estadão
Alex Silva/ Estadão

Corinthians promete gramado com 'qualidade ideal' na fase final do Paulista

Cássio criticou o campo após o empate com o Santos no domingo

João Prata, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2019 | 11h20

O Corinthians informou que o gramado de sua arena terá "qualidade ideal" a partir do jogo do próximo domingo, contra o Oeste, pela penúltima rodada da fase de grupos do Campeonato Paulista. A declaração foi feita após o goleiro Cássio reclamar de buracos no campo no clássico com o Santos. 

O Estado entrou em contato com a World Sports, empresa responsável pelo gramado, e também procurou o Corinthians para se manifestar sobre o assunto. Ambos responderam apenas com uma declaração formal enviada pela assessoria de imprensa.

"O Sport Club Corinthians informa que já houve melhora na qualidade do gramado nas últimas partidas realizadas na Arena e ressalta que após o jogo contra o Oeste, no próximo dia 17, o campo deve apresentar a qualidade ideal para as partidas decisivas do Paulistão e da Copa do Brasil.

A única informação a mais divulgada pela assessoria da empresa da World Press foi que o gramado não teve problema de fungo. No entanto, não foi respondido se a realização do Monster Jam, evento com caminhões que aconteceu em dezembro, prejudicou o gramado.

O engenheiro agrônomo Artur Melo, que participou do projeto e da construção do gramado para a Copa de 2014, evitou dar um diagnóstico específico sobre o problema. Em entrevista ao Estado, falou de uma maneira geral como funciona esse tipo de grama.

"Um gramado não tem vida útil limitada. Ao contrário, ele vai amadurecendo e pode ficar cada vez melhor, desde que haja manejo correto e que se respeite a capacidade de suporte de pisoteio. Se houver mau manejo, por falta de recursos, por exemplo, ou excesso de carga de uso, a qualidade poderá momentaneamente decrescer", afirmou.  

O especialista também comentou que é normal o campo oscilar ao longo do ano. "Um gramado, assim como o atleta, pode passar por bons e maus momentos, a depender da carga de uso e do investimento na manutenção", comentou.

No clássico com o Santos, Cássio errou uma bola ao tentar sair jogando com os pés. Ao comentar sobre o lance, o goleiro admitiu o vacilo, mas aproveitou para criticar o gramado. "Tentei fazer a leitura, eu errei. Tentei cavar a bola no Avelar, a bola não subiu. É uma área boa, mas nosso campo está deixando a desejar. Nosso campo sempre foi o melhor gramado, impecável, jogamos em sintonia disso, para poder rodar e tal, mas este ano está deixando a desejar. Até nos próprios gols tem muita areia. Difícil. Tento pegar na bola e a bola não sai bem. Mas o pessoal está tentando evoluir. Espero que possamos corrigir e melhorar para os próximos jogos", disse.

Melo considerou esse tipo de injusta. "Tenho 25 anos nessa lida e, na maioria dos casos, não todos, a queixa dos jogadores é inapropriada. Pense comigo: a única parte da regra do futebol que é perfeita é o campo. O campo é sempre o mesmo para as duas equipes. Mas há dois tipos de jogadores: os que são competentes e ganham os jogos e os que reclamam do gramado, do juiz, da bola, do sol, do vento", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.