Corinthians quer se livrar de estigma

Mais do que vaga na final do Campeonato Paulista, o Corinthians vai para o campo amanhã preocupado em livrar-se de um estigma: o de ser ?trampolim? de arqui-rivais. Boa parte da torcida palmeirense diz acreditar que a vitória sobre os corintianos é tudo o que o time de Jair Picerni precisa para afastar de vez o trauma pelo rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Além disso, recuperaria a auto-estima, indispensável para quem espera uma temporada vencedora. A ?fama? da equipe do Parque São Jorge se deve ao fato de ter protagonizado o ressurgimento de seus adversários mais tradicionais. Tanto Palmeiras como o Santos terminaram com seus históricos jejuns de títulos, as famosas filas, justamente em decisões contra o Corinthians. O primeiro na final do Paulista de 1993. O segundo, há quase três meses, no Nacional. O assunto, como não poderia deixar de ser, desagrada os alvinegros. E para evitar que os adversários comecem a torcer para enfrentá-los a cada momento difícil que atravessem, a ordem é minimizar o fato. "Tudo isso é coincidência. Estão sempre buscando formas de motivar ao máximo os times que enfrentam o Corinthians. Imagine, então, quando é o principal clássico de São Paulo", afirmou o volante Vampeta. Já o técnico Geninho admite que a partida deve ser encarada pelo adversário como um divisor de águas. Porém, não quer que seus jogadores entrem no clima de tensão que eventuais provocações podem causar. "Se você analisar, é verdade que uma vitória sobre o Corinthians é um grande passo para o Palmeiras deixar para trás tudo de ruim que aconteceu com eles", observou. E para dar o exemplo, o treinador esquiva-se de responder perguntas sobre o rival. "Nem contato com o Jair (Picerni) quero ter. Não seria natural. Agora, depois do jogo falo com quem vocês quiserem", explicou, referindo-se à sua amizade com o colega palmeirense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.