Corinthians quer sufocar o Cianorte

Transformar o Pacaembu na Bombonera. A enlouquecida torcida do Boca Juniors é a inspiração de Daniel Passarella no jogo mais importante de 2005 para o Corinthians: contra o Cianorte, na quarta-feira, às 20h30. O time precisa vencer por quatro gols de diferença para continuar na Copa do Brasil.Conversando com Tevez, o treinador descobriu a fórmula que o Boca adota para transformar o seu estádio em um inferno para o adversário. E repetirá a estratégia contra os paranaenses.Foi respeitando esse jeito argentino de ver futebol que Kia Joorabchian não levou a partida para o Morumbi. Devido à proximidade dos torcedores do gramado, o Pacaembu se mostrou ideal para se transformar na reprodução da Bombonera em São Paulo."A fórmula é uma só: fazer o primeiro gol no primeiro tempo. Porque depois a torcida se inflama e empurra. Os adversários não conseguem nem pensar com tanta pressão. A torcida corintiana empurra mesmo. A gente conversou com o Passarella. O segredo é o primeiro gol. Depois, ninguém segura", aposta Carlos Alberto.Todos os 34.200 ingressos foram vendidos. A procura foi enorme, como se fosse uma final. "Vamos arrecadar mais de R$ 500 mil", diz o diretor de arrecadação Luís Granieri.Passarella apelará para uma blitz desde o início. A ordem é marcar a saída de bola do Cianorte, empolgar a torcida, fazer logo o primeiro gol e ser empurrado pelos corintianos para a busca da goleada. "Se eles puderam fazer três em nós, temos a condição de marcar quatro contra eles. O Cianorte vai se surpreender com o Corinthians que terão pela frente. Mudamos muito desde aquela partida que teve aquele resultado acidental. O Passarella transformou o time. O Corinthians agora ataca com inteligência. É uma equipe montada, equilibrada", elogia Fábio Costa.Passarella ensaiou muito jogadas de bola parada. Os zagueiros Marinho, Betão e Sebá deverão estar na área para cabecear nos escanteios ou nas faltas laterais. "Tão importante quanto como a estratégia e as jogadas ensaiadas será o nosso comportamento psicológico. Já estamos conscientes de que não podemos nos desesperar. Temos 90 minutos para buscar esses quatro gols de vantagem. Se não der no início, vamos manter a consciência e ir buscar o resultado com o passar do tempo. O desespero é a pior coisa que nos pode acontecer", ensina Sebá.O treinador tem todos os detalhes do Cianorte. Fitas, perfis individuais dos atletas adversários e táticas mais utilizadas pelo técnico Caio Júnior. "Sabemos tudo do Cianorte. Só pensamos em Cianorte desde aqueles 3 a 0. Finalmente está chegando a hora de pegar esse time de novo", comemora Carlos Alberto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.