Corinthians quer vitória para sonhar

O Corinthians quer manter-se vivo no Campeonato Paulista com uma vitória sobre o Santos neste domingo, às 16 horas, no Pacaembu, no clássico de 88 anos de tradição e muitas histórias. Os 2 a 1 sobre a Internacional, em Limeira, revigoraram o time do Parque São Jorge, que ainda sonha com as semifinais. "O que é preciso para a classificação? Ganhar, ganhar e ganhar", diz o técnico Wanderley Luxemburgo, que não faz mais contas para analisar as chances da equipe na competição. O treinador só não quer que transfiram para o Corinthians a maior parte da responsabilidade pela vitória. "Tanto nós quanto o Santos, precisamos dos três pontos. A obrigação pela vitória é 50% nossa e os outros 50% deles. Num clássico como esse, a colocação de um time e do outro na tabela não faz diferença", ressaltou o treinador, que só vai definir a escalação da equipe pouco antes da partida. Ele tem três opções táticas e decidiu manter o suspense para tentar complicar a situação do técnico do Santos. Luxemburgo garante que o time está em ascensão. Depois da vitória em Limeira, que acabou com o jejum de onze meses sem ganhar fora da capital e com os treinamentos durante a semana, o treinador assegura que o Corinthians está pronto para uma grande exibição. Luxemburgo só lamenta a ausência de Scheidt, Marcos Senna e André Luís, que estão suspensos com dois cartões amarelos. O Corinthians conta com o bom retrospecto de Marcelinho nos jogos contra o Santos. "Na maioria das vezes sempre me dei bem diante desse adversário", admitiu o meia, que em uma partida na Vila Belmiro fez um gol que foi aplaudido por Pelé. O Rei disse que o gol de Marcelinho merecia até uma placa no estádio. Em outra partida, em 1999, o meia marcou três gols na goleada do Corinthians por 5 a 1. Marcelinho, porém, evita qualquer tipo de brincadeira ou provocação. "Tenho muitos amigos no Santos, um clube que fez de tudo para tentar me contratar, quando eu estava voltando da Espanha", lembrou o meia. Luxemburgo aposta também no sucesso de Luizão, que detém excelente índice de aproveitamento. Em 11 jogos, o atacante marcou 11 gols. É o único jogador do time convocado pela seleção para o jogo contra o Equador, dia 28, em Quito, pelas eliminatórias da Copa de 2002. "Me preparei muito para este início de temporada. Estou em grande em forma", garante Luizão. O zagueiro Fábio Luciano ganhará outra chance na equipe. Ele entra no lugar de Scheidt. Sua última partida havia sido na derrota diante da Matonense por 3 a 2. "É muito bom voltar em um clássico. Quero ganhar novamente meu espaço na equipe", afirmou o zagueiro. Ele disse que a perda da posição não siginficou que seu futebol havia caído. "O time todo passou uma fase ruim. Se eu fosse o úncio que estivesse mal, estaria muito preocupado. Mas estamos reagindo", afirmou Fábio Luciano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.