Corinthians reage contra "ajuda" do STJD

O Departamento de Futebol do Corinthians distribuiu nesta terça-feira comunicado oficial condenando todas as provocações e insinuações de o clube ter sido beneficiado no Campeonato Brasileiro porque irá refazer duas partidas em que foi derrotado, por Santos e São Paulo, apitadas pelo árbitro Edílson Pereira de Carvalho, o pivô da ?Máfia do Apito?.O time não aceita essa pecha e rechaça toda e qualquer responsabilidade dessa natureza. ?O Corinthians não se sente beneficiado em nenhum momento. Lembramos que esses jogos, e outros nove mais, foram remarcados por uma decisão do STJD, e não por qualquer iniciativa de nossa entidade?, diz o documento, entregue aos jornalistas no Parque São Jorge.O manifesto diz respeito, sobretudo, ao que jogadores de equipes adversárias que andam comentando sobre a legitimidade de o Corinthians ter a oportunidade de poder somar mais seis pontos em jogos que não havia conquista nenhum. Bóvio, do Santos, é um dos atletas que acham que o clube do Parque São Jorge foi, sim, beneficiado com tal decisão, por exemplo.Para o técnico Antônio Lopes, o Corinthians é tão vítima quanto os outros clubes envolvidos pelo escândalo da arbitragem no futebol brasileiro. ?Não fomos nós que provocamos a situação. Vamos fazer os jogos porque isso foi determinado.?No documento, a diretoria corintiana fez constar o que torcedores do clube comentam: ?Se conseguirmos esses seis pontos, eles serão somados aos atuais 59 que conquistamos durante os 29 jogos que disputamos até agora e que nos deixaram na liderança do torneio.?Os argentinos Tevez e Sebá foram os primeiros a levantar a lebre sobre a desconfiança que cairia sobre o Corinthians ao refazer dois jogos que perdeu. Na época, mostrando maturidade incomum aos jogadores brasileiros, o atacante disparou: ?Preferia que o Corinthians não fizesse as partidas novamente, porque se a gente ganhar o título vão colocá-lo em xeque.?Exceto pelos argentinos, os demais atletas corintianos adotam a postura do ?isso-não-é-comigo?. ?Nós nos reunimos e chegamos à conclusão de que não devemos interferir nesse assunto. Tem pessoas acima da gente, mais experientes, que tomaram a decisão. A nós, só resta jogar?, comentou o atacante Nilmar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.