JB Neto/AE
JB Neto/AE

Corinthians recebe troféu e vascaínos dominam premiações individuais

Andrés Sanchez, presidente do clube, acompanhado do elenco, recebeu a taça das mãos de Ronaldo

AE, Agência Estado

05 de dezembro de 2011 | 23h26

SÃO PAULO - Vice-campeão brasileiro, o Vasco foi o maior vencedor do Prêmio Craque do Brasileirão, em evento realizado pela CBF nesta segunda-feira, no Auditório do Ibirapuera, em São Paulo. Fagner, Dedé e Diego Souza foram escolhidos como melhores de suas posições, Cristóvão Borges e Ricardo Gomes dividiram o prêmio de melhor treinador e Dedé foi ainda escolhido pela votação popular como Craque da Galera.

O Corinthians, campeão brasileiro, viu apenas seus volantes serem premiados: Ralf e Paulinho. No fim da festa, o presidente Andrés Sanches, acompanhado do elenco, recebeu o troféu de campeão brasileiros das mãos de Ronaldo.  

Neymar, que não esteve na festa, pois o Santos viajou nesta segunda-feira para o Japão, onde vai disputar o Mundial Interclubes, ganhou os prêmios de melhor primeiro atacante e melhor jogador do Brasileirão 2011.

Logo no começo da premiação apresentada por Luciano Huck, Glenda Kozlowski e Tiago Leifert, Neymar foi anunciado como Craque do Brasileirão. Viajando com a delegação do Santos para o Mundial do Japão, o atacante foi representado por seu pai. O jogador santista também foi escolhido como melhor de sua posição, formando uma seleção do Campeonato Brasileiro que teve o futebol carioca como base: Jefferson (Botafogo); Fagner (Vasco), Réver (Atlético-MG), Dedé (Vasco) e Cortês (Botafogo); Ralf, Paulinho (ambos do Corinthians), Diego Souza (Vasco) e Ronaldinho Gaúcho (Flamengo); Fred (Fluminense) e Neymar (Santos).

Ricardo Gomes, que sofreu um AVC no fim do primeiro turno, dividiu com seu auxiliar Cristóvão Borges, que assumiu interinamente a equipe, o prêmio de melhor treinador. O ex-zagueiro foi representado por seu filho, que recebeu o troféu.

A cerimônia foi cheia de erros técnicos. O uso exagerado de claque (recurso com gravação de risos e palmas) para disfarçar a pouca participação do público provocou ironias até dos apresentadores. Os discursos prontos também não funcionaram. O ministro do Esporte Aldo Rebelo foi chamado ao palco para entregar um prêmio e demorou a entender onde estavam as falas que ele deveria ler, precisando ser orientado por Luciano Huck, que apontou uma tela na plateia.

Ricardo Teixeira foi o primeiro a falar. Entrou ao palco antes mesmo dos apresentadores e deixou claro que o discurso era lido. O presidente da CBF exaltou o formato de pontos corridos, adotado no Campeonato Brasileiro desde 2003. "É uma forma de tornar a competição mais justa. Os resultados são indiscutíveis: aumento significativo de publico nos estádios e nas receitas desde então." Depois, voltou ao palco para entregar a taça ao Corinthians, passando em seguida a responsabilidade para Ronaldo.

Dentre os premiados, a maior surpresa foi quanto à escolha de Réver, do Atlético-MG, como melhor zagueiro pela esquerda. Isso porque seu clube brigou contra o rebaixamento até a penúltima rodada, fechando a competição com a quarta pior defesa do Brasileiro. Depois do anuncio do prêmio, Tiago Leifert lembrou que a escolha foi feita antes da última rodada, quando o Atlético-MG levou seis gols do Cruzeiro. O zagueiro fechou a cara e falou pouco. "Ontem (domingo) a gente deixou e muito a desejar."

Com o Santos viajando para o Japão, Neymar não foi o único premiado ausente. Borges também não pôde comparecer e a surpresa foi que o presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo Del Nero, ter sido o escolhido para subir ao palco e receber o prêmio no lugar do atacante. Rogério Ceni foi outro que faltou ao prêmio. Ele seria homenageado pelos 100 gols e 1.000 jogos com a camisa do São Paulo, mas não esteve no Auditório do Ibirapuera. Para disfarçar, Luciano Huck brincou: "Ele não foi chamado porque não caberia o meu nariz e o dele na tela da televisão".

A maior ausência, porém, foi de Dedé. Surpreendentemente eleito Craque da Galera, pela votação dos internautas, superando Neymar, o zagueiro já havia deixado a festa. Quando o nome do jogador foi anunciado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), os apresentadores ficaram perdidos. Ninguém subiu ao palco para retirar o prêmio no lugar do vascaíno.

Confira os vencedores do Prêmio Craque do Brasileirão:

Goleiro - Jefferson (Botafogo)

Lateral-direito - Fagner (Vasco)

Zagueiro pela direita - Réver (Atlético-MG)

Zagueiro pela esquerda - Dedé (Vasco)

Lateral-esquerdo - Cortês (Botafogo)

Volante pela esquerda - Paulinho (Corinthians)

Volante pela direita - Ralf (Corinthians)

Meia-direita - Diego Souza (Vasco)

Meia-esquerda - Ronaldinho Gaúcho (Flamengo)

Atacante - Neymar (Santos)

Atacante - Fred (Fluminense)

Técnicos - Ricardo Gomes e Cristóvão Buarque

Craque do Brasileirão - Neymar (Santos)

Craque da Galera - Dedé (Vasco)

Revelação - Wellington Nem (Figueirense)

Artilheiro - Borges (Santos)

Árbitro - Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.