Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Corinthians reclama da arbitragem após derrota no Sul

Com a derrota na Arena Grêmio, time alvinegro perde a chance de assumir a vice-liderança e cai para quarto no Campeonato Brasileiro

Estadão Conteúdo

24 de agosto de 2014 | 19h29

O árbitro Héber Roberto Lopes foi considerado, pelos jogadores do Corinthians e o técnico Mano Menezes, como o "vilão" na derrota por 2 a 1 para o Grêmio, neste domingo, em Porto Alegre. Houve dois lances polêmicos no jogo. O primeiro foi um suposto pênalti não marcado, aos 45 do segundo tempo. Um minuto depois, o atacante Guerrero foi expulso porque deu uma cabeçada em Alan Ruiz.

Mano Menezes bateu pesado na arbitragem e disse que já imaginava que teria problemas no jogo deste domingo na Arena Grêmio. "Fomos prejudicados (pela arbitragem). Hoje não foi futebol, como tem sido desde 2010 com esse senhor (Heber), quando o Corinthians ganhou sua última partida com ele", disse o treinador.

No lance mais reclamado pelos corintianos, Romarinho chutou a bola dentro da área, aos 45 minutos do segundo tempo, e ela bateu no braço do zagueiro Werley. Os jogadores do Corinthians cercaram o árbitro e reclamaram de pênalti. "Não cabe a mim julgar, mas o juiz errou", disse o volante Ralf. "Merecíamos a vitória, fizemos um bom jogo. Mas o resultado não foi o que a gente esperava."

Na expulsão de Guerrero, os corintianos entendem que, se fosse para punir o atacante peruano, o jogador do Grêmio deveria ter punição similar, porque os dois ficaram se estranhando na jogada.

Com a derrota na Arena Grêmio, o Corinthians caiu para a quarta colocação no Brasileirão, ainda com 31 pontos, e foi ultrapassado pelo São Paulo, agora vice-líder da competição.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthiansMano Menezes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.