Corinthians reencontra algoz hoje

Pelos próximos dois meses, ou sete rodadas, os jogadores do Corinthians não poderão se apresentar em casa para sua torcida. Despedem-se hoje do Pacaembu e o até logo pode ser memorável caso o time se vingue do Figueirense, algoz que o eliminou da Copa do Brasil. Se por um lado o técnico Márcio Bittencourt vibra por fazer sua estréia como treinador na capital paulista, por outro lamenta demorar tanto para só retornar a atuar em São Paulo dia 21 de julho, diante do Paysandu. "Vai ser muito chato jogar sem os torcedores", comentou.O técnico se apega mais à despedida do que à tentativa de devolver a derrota ao Figueirense. "Não tem vingança. Cada partida é um compromisso diferente e treinamos a semana toda para tentar um bom resultado", desconversou. Márcio vai aos poucos moldando o time ao seu estilo. Assumiu, há menos de duas semanas, dizendo que daria continuidade ao trabalho de Daniel Passarella, agora já põe três atacantes - Carlos Tevez, Gil e Bobô - e, como já fez na rodada anterior, utiliza Anderson e Betão atrás: dois e não três zagueiros, como o treinador anterior. "Tenho minhas concepções e conheço bem os jogadores", justificou.Diferente sim, mas não muito. O treinador terá o retorno do meia Roger e, de forma indireta, deu o recado que o jogador se cansou de ouvir do ex-treinador. "Deixei claro em minhas orientações que todo mundo tem de marcar."O atacante Gil tem outra oportunidade de convencer os dirigentes de que ainda merece vaga no elenco - seu contrato vence no fim do ano e até hoje ninguém o procurou para renovar. Seus principais aliados, os torcedores, não estarão do seu lado nos próximos compromissos. "Deve ser péssimo jogar sem torcida", disse.Gostaria que eles entendessem o que aconteceu, para que não haja mais esse tipo de situação."Os atletas terão 2 meses para reclamar da punição do Superior Tribunal de Justiça Desportiva. Agora, o clube irá mandar os três confrontos com portões fechados(Flamengo, Fluminense e Palmeiras) em Mogi-Mirim. A perda do mando se deu por causa da invasão dos torcedores ao gramado dia 8, quando o time foi goleado por 5 a 1 pelo São Paulo. Deverá ainda pagar multa de R$ 150 mil.Júlio César, sem medo de ser a próxima vítimaIntegrado ao time principal do Corinthians há apenas quatro meses, Júlio César tem sua primeira chance como goleiro titular, hoje, na partida contra o Figueirense. E, garante, não tem medo algum de ser "queimado" na função, a exemplo do que aconteceu com Tiago, seu colega de clube desde o tempo dos juniores e que teve atuações muito criticadas."Eu acho que o Tiago não foi queimado. O problema é que o time não foi bem, foi eliminado (da Copa do Brasil). Ele não teve nenhuma culpa", pondera. "Creio que a minha situação no Corinthians, agora, não é a mesma que a dele. Mas é assim mesmo: a gente não escolhe a hora para entrar."O jovem atleta de 20 anos ficou sabendo após o treino de quinta-feira que seria o titular. Na verdade, foi uma confirmação do que estava por vir, pois já havia sido escalado nessa posição no coletivo. "O Márcio me chamou depois do treino e disse que eu ia ser titular. Foi a chance que eu sempre esperei."Ao falar do novo momento no time, Júlio não conseguia esconder que projeta um grande futuro como goleiro do Corinthians "Estou sonhando, sim, em ser titular. Eu estou começando, mas quem garante que domingo (hoje) não seja o início de uma carreira brilhante? "Desde Ronaldo, que foi absoluto no gol corintiano por quase dez anos, nenhum prata da casa conseguiu se firmar como titular da posição. O retrospecto não é bom, mas Júlio César ainda consegue ver mais dificuldades na época de júnior. "Se falhasse, nem no profissional eu chegaria."O lateral Coelho, que também veio das equipes inferiores do alvinegro, tranqüilizou o colega. "Eu o conheço há bastante tempo e falei para ele ficar calmo, porque tem toda a confiança do grupo".Com seis anos de Corinthians, o goleiro foi bicampeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Desde essa época conhece Márcio Bittencourt, o principal responsável pela chance. "Já tinha pensado nisso na semana passada e resolvi dar a oportunidade". No entanto, teve o cuidado de não desmerecer Tiago e criar rivalidades entre os amigos, que dividem o quarto na concentração. "Os dois são do mesmo nível e isso me deixa tranqüilo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.