Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Corinthians registrou perda recorde no balanço de 2019, aponta estudo

Mau desempenho no último ano leva clube a acumular perda de 94% no patrimônio líquido, que agora vale R$ 12 milhões

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2020 | 11h17

Um estudo divulgado nesta segunda-feira pela consultoria Pluri mostrou dados preocupantes sobre as finanças do Corinthians. Os especialistas em análise de balanço de clubes constataram que o time do Parque São Jorge registrou no último ano um aumento elevado do endividamento e a perda recorde de 94% no patrimônio líquido, que agora soma o equivalente a R$ 12 milhões.

De acordo com o estudo, que foi recebido pelo Estadão, o Corinthians teve como motivos para os resultados ruins uma sequência de quedas na arrecadação somada ao aumento de gastos. A equipe teve uma redução de 62% nas receitas com vendas de jogadores e 9% de diminuição nas receitas gerais. Para complicar, o clube ainda elevou as despesas em 23% em relação ao ano anterior e registrou um déficit de R$ 177 milhões.

A Pluri contabiliza que a dívida do clube subiu 39% e chegou a R$ 765 milhões. O valor não leva em conta as pendências referentes à construção da Arena Corinthians. Em comparação ao exercício anterior, da temporada 2018, um número que chama a atenção é a quantidade de empréstimos e financiamentos. O aumento foi de 142%. O clube teve de recorrer a R$ 97 milhões de instituições financeiras.

Em entrevista ao Estadão na semana passada, o diretor financeiro do Corinthians, Matias Romano Ávila, admitiu o cenário complicado e comentou que para piorar, a pandemia do novo coronavírus oferece ainda mais dificuldades para a equipe. "Como resolver isso? Tem de procurar cortar as despesas, porque as receitas foram interrompidas, mas as despesas continuam. Se tem um caixa reforçado, dá para contornar algumas situações. O futebol não tem lucro: é receita e é despesa", disse.

Para evitar ainda mais gastos durante o período de paralisação do futebol, o Corinthians cortou até 70% dos vencimentos dos funcionários - com piso de R$ 3 mil - e 25% dos jogadores. A diretoria também interrompeu a ajuda de custos a atletas amadores e de outras modalidades e aguarda para saber se haverá competições de base. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.