Corinthians se fecha para pegar o Fluminense no Rio

Com 5 derrotas seguidas, a ordem para a equipe alvinegra nesta quarta, no Maracanã, é a de somar pontos

Fábio Hecico, Estadão

02 de outubro de 2007 | 20h44

O técnico Nelsinho Baptista chegou à conclusão que, com Vampeta, o Corinthians perde nas jogadas aéreas e na marcação. Por isso, resolveu sacar o experiente volante e promoveu outras três mudanças no time titular, depois da derrota por 2 a 1 para o Sport. Após uma semana de trabalho, o treinador também observou que é hora de jogar fechado atrás e apelando para os contra-ataques. Chega do discurso otimista de "partir para cima dos rivais". Com cinco derrotas seguidas, a ordem para a equipe nesta quarta-feira, diante do Fluminense, às 21h45, no Maracanã,  é a de somar pontos, não importa se um (empate) ou três (vitória). A aposta do treinador é na reedição da defesa que, no início do Brasileiro, sofreu dois gols em seis rodadas: Fábio Ferreira (no lugar de Fábio Braz), Zelão (substitui Vampeta) e Betão. "Acompanhei o Fábio no Paulista. É um zagueiro rápido e sabe sair pelo lado", disse o treinador. "Com estes três, mais o Carlos Alberto (herdou a vaga de Bruno Octávio, com lombalgia) e o Moradei, vamos dar maior liberdade para os alas e os meias." Vale tudo para salvar o Corinthians do rebaixamento. Apelar para palestra motivacional e até papo isolado ao pé do ouvido. Nelsinho está incomodado, como definiu, em ver a equipe na 18.ª colocação, com apenas 33 pontos, mas abdicou de fazer contas. Sua técnica é simples: elogiar o grupo, contar com todos os jogadores e passar confiança a todo momento.  "Tive conversas individuais, e todos foram claros ao falar que a equipe já foi diferente, teve outra postura frente o Sport (derrota por 2 a 1). Eles Se colocaram mais à disposição e mostraram maior preocupação com o coletivo", contou Nelsinho. Animado em notar evolução com seu trabalho, o técnico resolveu blindar o elenco. Nada de ficar com medo da torcida. Todos têm de se preocupar, apenas, em salvar o Corinthians. "Todos sabem que serão valorizados no resultado positivo. Não quero ver ninguém se preocupando em quem vai ser o culpado por algo", disse. "Fiz uma blindagem nesse sentido. Sabemos o que pode acontecer, mas não vamos ficar pensando na manifestação do torcedor, nem com eleição, se vai fazer frio ou chover. Quero todos focados no Fluminense." O meia Ailton, com nova chance entre os titulares (jogará no lugar de Éverton Santos), entrou no clima do chefe. "O Corinthians não pode, não deve e não vai cair", garantiu, confiante. "O Corinthians fora da Primeira Divisão é igual a tomar caipirinha sem colocar o limão. Não dá", filosofou. Entusiasmado e bem exagerado, o jogador praticamente eliminou as chances de queda do time. Ignorou até o índice de 62% de possibilidade de rebaixamento, apontado pelos matemáticos. "Numa escala de 0 a 10 a chance de a gente se livrar é 10. Jamais vou dar um passo para o lado achando que nada é reversível", afirmou. Resta saber se em campo mostrará tal determinação. O técnico Nelsinho Baptista chegou à conclusão que, com Vampeta, o Corinthians perde nas jogadas aéreas e na marcação. Por isso, resolveu sacar o experiente volante e promoveu outras três mudanças no time titular, depois da derrota por 2 a 1 para o Sport. Após uma semana de trabalho, o treinador também observou que é hora de jogar fechado atrás e apelando para os contra-ataques. Chega do discurso otimista de "partir para cima dos rivais". Com cinco derrotas seguidas, a ordem para a equipe nesta quarta-feira, diante do Fluminense, às 21h45, no Maracanã,  é a de somar pontos, não importa se um (empate) ou três (vitória). A aposta do treinador é na reedição da defesa que, no início do Brasileiro, sofreu dois gols em seis rodadas: Fábio Ferreira (no lugar de Fábio Braz), Zelão (substitui Vampeta) e Betão. "Acompanhei o Fábio no Paulista. É um zagueiro rápido e sabe sair pelo lado", disse o treinador. "Com estes três, mais o Carlos Alberto (herdou a vaga de Bruno Octávio, com lombalgia) e o Moradei, vamos dar maior liberdade para os alas e os meias." Vale tudo para salvar o Corinthians do rebaixamento. Apelar para palestra motivacional e até papo isolado ao pé do ouvido. Nelsinho está incomodado, como definiu, em ver a equipe na 18.ª colocação, com apenas 33 pontos, mas abdicou de fazer contas. Sua técnica é simples: elogiar o grupo, contar com todos os jogadores e passar confiança a todo momento. CorinthiansFelipe; Fábio Ferreira, Zelão e Betão; Iran, Moradei, Carlos Alberto, Héverton e Éverton Ribeiro; Ailton e FinazziTécnico: Nelsinho BaptistaFluminenseFernando Henrique; Rafael, Thiago Silva, Luiz Alberto e Junior César; Fabinho, Arouca, David e Cícero; Alex Dias e SomáliaTécnico: Renato GaúchoÁrbitro: Elmo Resende Cunha (GO)Estádio: MaracanãHorário: 21h45TV: Globo "Tive conversas individuais, e todos foram claros ao falar que a equipe já foi diferente, teve outra postura frente o Sport (derrota por 2 a 1). Eles Se colocaram mais à disposição e mostraram maior preocupação com o coletivo", contou Nelsinho. Animado em notar evolução com seu trabalho, o técnico resolveu blindar o elenco. Nada de ficar com medo da torcida. Todos têm de se preocupar, apenas, em salvar o Corinthians. "Todos sabem que serão valorizados no resultado positivo. Não quero ver ninguém se preocupando em quem vai ser o culpado por algo", disse. "Fiz uma blindagem nesse sentido. Sabemos o que pode acontecer, mas não vamos ficar pensando na manifestação do torcedor, nem com eleição, se vai fazer frio ou chover. Quero todos focados no Fluminense." O meia Ailton, com nova chance entre os titulares (jogará no lugar de Éverton Santos), entrou no clima do chefe. "O Corinthians não pode, não deve e não vai cair", garantiu, confiante. "O Corinthians fora da Primeira Divisão é igual a tomar caipirinha sem colocar o limão. Não dá", filosofou. Entusiasmado e bem exagerado, o jogador praticamente eliminou as chances de queda do time. Ignorou até o índice de 62% de possibilidade de rebaixamento, apontado pelos matemáticos. "Numa escala de 0 a 10 a chance de a gente se livrar é 10. Jamais vou dar um passo para o lado achando que nada é reversível", afirmou. Resta saber se em campo mostrará tal determinação. Botafogo Com sete desfalques e um time abalado com os últimos incidentes dentro e fora de campo, o técnico Mário Sérgio tenta hoje sua primeira vitória no comando do Botafogo, em jogo fora de casa, contra o Atlético-PR, a partir das 21h45. Depois de protestos seguidos da torcida alvinegra no Rio, o confronto na Arena da Baixada, em Curitiba, representa um certo alívio para a equipe do Botafogo, que fica assim longe da pressão exercida por grande parte de sua apaixonada torcida. A crise no Botafogo teve início com a derrota de maneira apática para o River Plate, em Buenos Aires, na semana passada, quando o time carioca acabou eliminado da Copa Sul-Americana.Atlético-PRViáfara; Danilo, Rhodolfo e Antonio Carlos; Jancarlos, Valencia, Claiton, Netinho e Michel; Ferreira e Marcelo RamosTécnico: Ney FrancoBotafogoLopes (Júlio César); Alessandro, Renato Silva, Juninho e Moreno; Coutinho, Joilson, Adriano Felício e Zé Roberto; Reinaldo e DodôTécnico: Mário SérgioÁrbitro: Lourival Dias Lima Filho (BA)Estádio: Arena da BaixadaHorário: 21h45TV: Pay-Per-View Na chegada ao Rio, houve manifestações dos torcedores no aeroporto, no treino do dia seguinte em General Severiano e durante o jogo com o Goiás, domingo, no Maracanã, em que o Botafogo perdeu por 3 a 0, com outra atuação muito ruim. Mário Sérgio adotou a seguinte estratégia para tentar aumentar a auto-estima dos atletas do clube: muitas conversas, individuais e coletivas. "O time é muito bom, e eu sei disso porque como técnico do Figueirense, enfrentei o Botafogo este ano três vezes e tive trabalho redobrado." O Botafogo treinou em Curitiba e pretende ficar fora do Rio algum tempo. Mas isso só vai ser possível depois do jogo de sábado, contra o Santos, em seu estádio, o Engenhão. No dia seguinte, a delegação viaja para cidade de Itu, em São Paulo, onde deverá ficar por seis dias. Para compensar os desfalques do goleiro Roger, do zagueiro Alex, do lateral-esquerdo Luciano Almeida, dos meias Túlio, Leandro Guerreiro e Lúcio Flávio, e do atacante Jorge Henrique, o técnico Mário Sérgio vai poder contar com Dodô, que cumpriu suspensão por ter recebido três cartões amarelos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.