Corinthians: sem prêmios contra descenso

A diretoria do Corinthians está tratando de maneira normal a partida de amanhã contra a Portuguesa Santista no Pacaembu. Não importa se o time poderá cair para a segunda divisão. Não haverá prêmio, incentivo algum a mais. A notícia já chegou aos jogadores. É mais uma medida de economia para o clube que está tão endividado."Não há problema. Nós temos a obrigação de ganhar da Portuguesa Santista. Não precisamos de prêmios a mais. E, se ganhar, não tem que comemorar. Não tem cabimento", disse Ânderson, irritado.O comportamento da diretoria corintiana é igual ao da do Palmeiras, que em 2002 resolveu não pagar a mais quando o clube enfrentou o Vitória na partida que custou o rebaixamento do time no Campeonato Brasileiro.Indiferente a premiações e confusões provocadas por Fábio Costa, o técnico Oswaldo de Oliveira preparou o time da maneira mais ofensiva possível. Houve mais um coletivo ontem pela manhã. Rincón e Rodrigo tiveram boa atuação servindo a Bobô e Gil no ataque. Outra vez houve a colaboração dos reservas, que marcaram muito de longe. É preciso ver se a Portuguesa Santista irá colaborar amanhã.Oswaldo, que levou o time ao título mundial em 2000, poderá ser o treinador do rebaixamento. O que seria péssimo para sua carreira, depois de dois fracassos seguidos, no São Paulo e no Flamengo. Ele tentou mostrar tranqüilidade. "Vamos fazer o máximo para ganhar e não cair. Mas sem esse clima de desespero. Pelo contrário. Sabemos que não será o fim do mundo se houver o rebaixamento. Mas lutaremos demais para que isso não aconteça. Mas mantendo a consciência."O treinador admite que está fazendo o papel do psicólogo que o Corinthians não possui. "Trato de dar força emocional a todos os jogadores. O time precisa estar bem, forte emocionalmente, para essa partida. Estou conversando com todos. Vamos suportar toda ansiedade e pressão que marcam esse jogo."E vale tudo para animar os atletas. Oswaldo diz que apesar das brigas de Renato, na quinta-feira, e Fábio Costa, ontem, com os torcedores, aposta que não faltará apoio ao time amanhã. "O Pacaembu é nossa casa. A torcida não irá nos abandonar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.