Corinthians: semana promete novidades

A volta ao Pacaembu após 60 dias longe, a definição do novo patrocinador e, enfim, o encerramento da novela sobre o camisa 9. A semana do Corinthians promete grandes novidades. Nesta segunda-feira, o técnico Márcio Bittencourt começa a trabalhar para o jogo de quinta-feira, contra o Paysandu, e a decidir se vai ou não se render aos fatos e deixar o meia Carlos Alberto, em péssima fase, no banco de reservas."O que for melhor para o grupo a gente vai fazer", disse o treinador, que terá Roger de volta e será forçado a optar por Carlos Alberto ou Rosinei. "Precisamos de tranqüilidade. Vamos trabalhar esses dois ou três dias e decidir", despistou Márcio.Os dois envolvidos, que não foram bem na vitória de sábado, por 3 a 2, sobre o Paraná, evitam a polêmica. "Particularmente, eu achei que joguei bem. A gente não joga só para si, e sim para o time. Às vezes, as pessoas não vêem o que fazemos em campo e nos criticam", afirmou Rosinei. "Estou sujeito a ser criticado ou elogiado, e encaro isso da melhor forma. Tenho consciência do que fiz de errado, e espero melhorar nos próximos jogos", revelou Carlos Alberto.O jogo contra o Paysandu, às 20h30 de quinta, será o reencontro da Fiel com seu estádio preferido. O Corinthians não joga no Pacaembu desde 22 de maio, quando venceu o Figueirense por 2 a 1. Foram 60 dias afastado em razão da punição pelas invasões de campo no clássico com o São Paulo, que forçou o time a jogar seus jogos como mandante em Mogi Mirim e com portões fechados. Os ingressos para o jogo de quinta começam a ser vendidos nesta segunda, no Parque São Jorge, Pacaembu, Morumbi, Canindé e Ginásio do Ibirapuera.Novo patrocínio - Até o fim de semana, quando o time vai ao Rio enfrentar o Vasco no domingo, a MSI deve anunciar o desfecho de duas longas negociações. Rumores no Parque São Jorge garantem que a multinacional coreana Samsung assinará contrato para patrocinar a camisa corintiana, que não ostenta anúncio desde o início do ano, quando o chefão da MSI, Kia Joorabchian, encerrou os contratos com Pepsi e Siemens alegando que o valor era muito baixo.Oficialmente, os dirigentes do clube ainda não confirmam o acordo pois ele só será ratificado quando Kia voltar ao Brasil, provavelmente na quarta-feira. Fala-se num valor anual de R$ 15 milhões, soma superior aos contratos anteriores, mas ainda abaixo do esperado inicialmente pela MSI. Em 2004, a Pepsi pagou R$ 9 milhões e a Siemens, R$ 3 milhões. A Samsung tornou-se patrocinadora do inglês Chelsea em abril, num contrato de ? 75 milhões por cinco anos.No domingo esgota-se também o prazo dado por Kia Joorabchian para o fim da longa negociação com o CSKA, pelo atacante Vágner Love. Caso os russos mantenham-se irredutíveis e não aceitem as propostas da MSI, o dirigente iraniano pode desistir de vez e fechar com o ex-são-paulino França.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.