Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Corinthians supera calor e bate o Santos no Brasileirão

Jogo foi marcado por polêmicas de arbitragem e expulsão errada

Vítor Marques, O Estado de S. Paulo

20 de setembro de 2015 | 13h27

Pênalti, confusão, bate-boca e expulsão. E uma atuação confusa do trio de arbitragem mesmo quando acerta no lance capital. O Corinthians derrotou o Santos por 2 a 0 em Itaquera num clássico que ainda será muito discutido por tudo que aconteceu na parte final do jogo.

Até os 34 minutos da partida, imperava um zero a zero injusto. O clássico superou até mesmo o calor - com termômetros marcando 38ºC no gramado. Mas então um pênalti desastroso e infantil cometido por Zeca mudou o rumo do jogo.

Love foi derrubado dentro da área pelo lateral do Santos e Flavio Rodrigues não marcaria sem a ajuda do bandeirinha. Houve uma certa indecisão. E nos protestos dos santistas quem foi expulso foi David Braz e não o autor do pênalti.

Transtornado, David Braz ainda se estranhou com Tite na beira do gramado e foi preciso que controlassem o zagueiro do Santos. E foram seis longos minutos entre a penalidade e o gol de Jadson, aos 40 minutos. O clássico foi até aos 53 minutos, 8 de acréscimo graças às confusões e à parada técnica.

Lucca, estreante, entrou no segundo tempo e foi essencial para a vitória do Corinthians, a primeira em cima do Santos em 2015. O atacante participou da jogada dos dois gols, no pênalti marcado e puxando o contra-ataque que Jadson, outra vez, concluiu ao gol, aos 43 minutos.

Apesar da reclamação dos santistas, o Corinthians mereceu vencer o clássico. No primeiro tempo, só faltou o gol ao Corinthians. Do apito inicial até o intervalo, o time de Tite foi dono do clássico. Jogou com intensidade e movimentação. Criou chances de gols suficientes para abrir o placar. E isso só não aconteceu graças as defesas de Vanderlei.

Tite armou o Corinthians com  a inteligência de quem já havia perdido três jogos para o Santos neste temporada. Yago, zagueiro improvisado de lateral-esquerdo, fechou a defesa e cuidou de Gabriel. Ricardo Oliveira foi acompanhado por Gil e Felipe. E Lucas Lima via ao seu redor um cerco de até três jogadores. De Ralf a Renato Augusto.

Jadson, Renato Augusto e Malcom levavam o Corinthians ao ataque. As melhores oportunidades de gol do primeiro tempo caíram nos pés de Vagner Love. O gol, contudo, não veio, apesar da pressão durante 45 minutos.

O Santos ficou sem ação na primeira parte do jogo. Apostou em lançamentos longos e sem sentido e só conseguiu chegar próximo de Cássio aos 48 minutos em chute forte de Lucas Lima. É muito pouco para um time que há poucos dias tinha goleado o Atlético-MG.

Dorival arrumou o time no intervalo. O Santos adiantou a marcação, passou a levar perigo ao gol de Cássio. Lucas Lima já tinha mais liberdade. O ritmo frenético do Corinthians diminuiu, mas o time ainda buscava o gol.

E ele poderia ter saído aos 17 minutos da etapa final. Renato Augusto recebeu bola de Jadson, chutou colocado, mas a bola carimbou a trave. Aos 33, Tite deu gás novo ao time e colocou o atacante Lucca no lugar de Malcom. Deu certo.

O Corinthians melhorou, chegou ao gol e depois da expulsão de David Braz tomou conta do clássico. Com a vitória, o time de Tite se mantém isolado na liderança do Brasileiro, com 57 pontos, oito pontos à frente do Atlético-MG, que ainda joga neste domingo.

FICHA TÉCNICA:

CORINTHIANS 2 x 0 SANTOS

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Felipe, Gil e Yago; Ralf, Jadson, Elias (Cristian), e Renato Augusto; Malcom (Lucca) e Vagner Love (Danilo). Técnico: Tite.

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Marquinhos Gabriel (Leandro), Ricardo Oliveira (Paulo Ricardo) e Gabriel (Neto Berelo). Técnico: Dorival Júnior.

GOLS: Jadson, aos 40 e aos 43 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO: Flávio Rodrigues Guerra (SP).

CARTÕES AMARELOS: Ricardo Oliveira, Victor Ferraz, Elias, Neto Berola, Lucas Lima e Felipe.

CARTÃO VERMELHO: Werley (no banco de reservas) e David Braz.

PÚBLICO: 41.748 pagantes.

RENDA: R$ 2.649.100,00.

LOCAL: Arena Corinthians. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.