Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Corinthians supera contratempo com Pablo e faz festa com título

Jogadores minimiza polêmica sobre saída de defensor, que não pode participar da entrega das premiações

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

27 Novembro 2017 | 07h00

O ano inesquecível do Corinthians foi coroado neste domingo com a entrega da taça de campeão brasileiro, em festa que não foi atrapalhada por nenhum contratempo. O empate em 2 a 2 com o Atlético-MG, na Arena, em Itaquera, e a polêmica nos bastidores com a saída do zagueiro Pablo não diminuíram a euforia de quem já foi ao estádio com a certeza da comemoração.

+ Presidente do Corinthians critica Pablo: 'Estava esquecido na França'

+ Carille conta que assédio europeu quase frustrou título

Os 46 mil torcedores coloriram ao estádio e deram ao clube o segundo maior público do ano. Ainda testemunharam um jogo movimentado e de belos lances. O Atlético-MG saiu na frente, com gol de falta de Otero, mas levou a virada, com Jadson e Marquinhos Gabriel. O time visitante de Minas ainda conseguiu igualar, com Fred.

Mas o jogo era o que menos importava no domingo. Na comemoração pelo sétimo título do Brasileiro, houve uma comunhão entre elenco e torcida. Os jogadores e o técnico Carille deram a volta olímpica acompanhados pelos familiares, em gesto inédito. Carille deixou que alguns torcedores tocassem a taça. Momento único para eles.

O título garantido dez dias antes e festejado após empate não representou festa morna. A equipe relembrou o quanto sofreu para justificar toda a euforia. "Foi um ano difícil. Começamos desacreditados, mas com a esperança de que o trabalho seria bem feito. Estamos consagrados", disse Rodriguinho.

O público passou boa parte do tempo com gritos de “é, campeão” e protagonizou comemoração organizada. Os sinalizadores, que podem causar punição, só foram acesos depois do jogo.

Na véspera da conquista, o clube confirmou a saída do zagueiro Pablo. Emprestado pelo Bordeaux, da França, o defensor não acertou sua permanência no Corinthians, que considerou elevada sua pedida salarial. O zagueiro foi afastado do time e não pôde participar da comemoração.

"Ficamos tristes com o que aconteceu com o Pablo. Mas é algo particular, não podemos entrar nisso. Queríamos que ele estivesse com a gente, porque participou desta conquista", comentou Balbuena. "A situação foi resolvida internamente. Não tem como defender um ou outro. Ficamos sabendo apenas de forma superficial. Mas já passou, foi tudo resolvido", afirmou o atacante Jô.

 

A festa do título coroou Cássio. Pela primeira vez na história do Corinthians um goleiro ergueu o troféu de campeão brasileiro. "Confesso que até fiquei um pouco nervoso. Foi uma grande honra para mim".

A torcida acompanhou a premiação e só lamentou não ter sido atendida quando pediu a entrada do veterano Danilo no jogo. Mas ela teve a oportunidade de se despedir do lateral Guilherme Arana, futuro reforço do Sevilla, da Espanha. "Estamos aguardando agora essa semana para tratar de parte final. Vamos receber por mais de 40% dos direitos econômicos e ainda vamos carregar um percentual", disse o presidente do clube, Roberto de Andrade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.