Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Paulinho encanta Sylvinho, mas técnico do Corinthians pede cautela contra lesões

Treinador elogia volante, mas ressalta que jogador ainda está longe da forma física ideal

Redação, Estadão Conteúdo

26 de janeiro de 2022 | 09h31

Paulinho precisou de 35 minutos para mostrar ao técnico Sylvinho que é diferenciado e um dos intocáveis no Corinthians para 2022. Mesmo fora de forma, o segundo volante entrou bem contra a Ferroviária e melhorou o time. Mas ainda está longe do físico ideal, o que faz o treinador agir com cautela e pedir mais tempo para efetivá-lo desde o início prevenindo lesões desnecessárias.

Depois de tropeçar em casa com 0 a 0 diante da Ferroviária, o treinador sabe que necessita de uma reação imediata na visita ao Santo André, domingo, para não chegar sob pressão no clássico com o Santos, na próxima quarta-feira. Paulinho deve ganhar mais tempo em campo, porém, ainda vindo do banco. Sylvinho não quer "estourar" o reforço e usa o cansaço de quem vinha jogando e sentiu diante da Ferroviária de exemplo até para acenar com mudanças.

"Fagner, Gil, João (Victor)... Todos extremamente cansados. Risco até de saúde, microlesão", alertou o treinador, também temendo por Paulinho. "Vem de período grande inativo não só de jogos, mas de treinos. Oscilou, mas é saudável, tem boa genética, cuida-se bem. Vamos levá-lo o máximo possível, otimizando minutos", avaliou. "Não gosto de cravar titularidade, pois todos vão jogar, uns mais, outros menos e ainda estamos em momentos de pré-temporada."

Diante da Ferroviária, Paulinho entrou como atacante e ficou entre os zagueiros buscando um gol que não veio. A ideia é usá-lo como um meia de chegada e Sylvinho pede tempo para inseri-lo no esquema e na equipe titular. O próprio jogador admitiu não querer jogar de atacante.

"Pouco a pouco ele vai adquirindo forma. Não sei responder se tem condições de começar o jogo. Pensamos no elenco para prazo grande. Saúde do atleta é o melhor para todo mundo", frisa o treinador, mostrando cuidados. "Estamos falando de 15 dias (de treinos). Se vai demorar sete, dez ou 15 não importa. Vamos pouco a pouco para ter o melhor."

Sylvinho definiu o resultado contra a Ferroviária como "injusto" após a bola não entrar, mas não esconde que pode mudar peças - sacar Du Queiroz ou mesmo Mantuan - e mesmo o estilo para ter paz nesta largada de ano. "O desafio é fazer o time ter mobilidade melhor, qualidade no passe, gols, cruzamentos", disse. "Escolhemos o Du Queiroz como primeiro volante, mas vamos buscar passos para melhorar. Renato também pode fazer a função e otimizou a entrada do Paulo (Paulinho). São alternativas para melhorar a qualidade de jogo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.