José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Corinthians tem de vencer para salvar Tite

Tropeço contra o Cruzeiro, no Pacaembu, pode complicar ainda mais a situação do treinador

Vítor Marques, O Estado de S. Paulo

22 de setembro de 2013 | 08h30

SÃO PAULO - Há um ano Tite estava tão em alta que seu nome foi cotado para assumir a seleção brasileira no lugar do então criticado Mano Menezes. Mas agora é o técnico campeão do mundo que está numa encruzilhada. Para que seu fim no Corinthians não comece neste domingo, contra o Cruzeiro, ele precisa recolocar a equipe nos trilhos. Caso contrário, a pressão aumentará e Mano, que pediu demissão do Flamengo, torna-se uma opção real.

Desde que derrotou o Flamengo, cheio de ex-corintianos e ainda com Mano no comando, por 4 a 0, o Corinthians só vive de más notícias. A primeira foi a “convocação” de Pato para a seleção, desfalcando o time por praticamente três jogos. Foi assim também com Guerrero. Esses problemas, somados a suspensões e contusões, fizeram com que a equipe travasse.

Daquele dia 1.º de setembro, aniversário do clube, para cá as vitórias sumiram. Já são cinco jogos, quatro derrotas (três delas consecutivas) e um empate. Dois desses resultados expuseram a crise técnica: o 0 a 0 com o Náutico e a derrota por 2 a 0 para a Ponte, na última quarta, em Campinas. Dois tropeços contra os dois piores times do Campeonato Brasileiro.

A torcida, em lua de mel desde o Mundial do Japão, passou a cobrar mais vontade, empenho e foi ao CT, com anuência da diretoria, pedir explicações. Por que, afinal, o time caiu tanto de produção?

“Não tem indisciplina ou coisas do tipo. Se tivesse, a gente cortava. Por isso é que gente fica intrigado. Se tivesse algo acontecendo, agiria e resolveria. É uma queda de rendimento coletiva. É isso que está acontecendo”, disse o diretor de futebol Roberto de Andrade.

Com isso, Tite se deu mal. Ficou com um time envelhecido, sem poder de fogo no segundo tempo, quando toma a maioria dos gols - foi assim mais uma vez contra a Ponte -, e com um elenco sem peças de reposição à altura. Por isso apelou a Ibson e Maldonado. Hoje, Ibson começa no banco, e Maldonado foi escalado para ajudar Ralf na marcação.

Sem Guerrero, suspenso, Tite resolveu colocar Alexandre Pato, apagado contra a Ponte, no banco. Emerson Sheik terá mais uma chance, ao lado de Romarinho.

Tite vai tentar arrumar a defesa, que tem falhado nos últimos jogos. Não será surpresa se o Corinthians jogar para não perder, como já fez em 2011 num clássico contra o São Paulo (empate por 0 a 0). Dali em diante, Tite conseguiu reverter um quadro de declínio e arrumou fôlego para buscar o título, algo agora impossível. A meta é ao menos voltar ao G-4, visando a uma vaga na Libertadores, para não compromter 2014.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoCorinthiansTite

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.