Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

'Há desequilíbrio entre receita e despesa', diz diretor do Corinthians

Emerson Piovezan afirma que situação do clube não é confortável

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2015 | 07h00

Se dentro de campo o Corinthians vive um ótimo momento e se aproxima do título do Campeonato Brasileiro, as finanças do clube continuam mal. Em reunião do Conselho Deliberativo na noite de segunda-feira, no Parque São Jorge, o diretor financeiro, Emerson Piovezan, admitiu que o clube está no vermelho e não conseguirá sair desta situação antes de 2016.

“Reduzimos as despesas em 20%, mas temos um déficit porque ainda há um desequilíbrio entre receita e despesa. Nossa situação não é confortável”, disse Piovezan ao Estado. Na segunda-feira, o dirigente apresentou aos conselheiros o balancete do clube até o mês de agosto e uma revisão do orçamento até o fim do ano.

A boa notícia é que oito meses depois de tomar posse o presidente Roberto de Andrade conseguiu cumprir uma de suas principais promessas de campanha e quitou as dívidas com elenco. Os direitos de imagem foram pagos aos jogadores na semana passada.

“Muita gente fala que o salário está em dia e agora temos de correr. É obrigação do clube. Uma coisa que tinha de ser natural. Trabalhou, pagou. É um assunto que nem devia ser tocado, mas que no Brasil é pelos atrasos. Mas vamos usar como incentivo maior", disse o meia Renato Augusto.

Para diminuir o rombo nas contas, o clube tem buscado patrocínios nas redes sociais. No segundo semestre, o Corinthians assinou acordos comerciais com Viber, Napster e Twitter, por exemplo. “Temos buscado recursos que a gente chama de 'dinheiro novo'. O departamento de marketing fechou contratos novos e, por isso, tivemos essa melhora nos números”, disse Piovezan.

Para equilibrar as contas em 2016, a diretoria aposta alta na Libertadores. Se vencer o Flamengo, domingo, no Itaquerão, a equipe já garante matematicamente a quarta colocação do Brasileiro e só ficaria fora do torneio na próxima temporada se a Chapecoense conquistar a Copa Sul-Americana. Assim, o G-4 viraria G-3.

“Já estamos considerando essa possibilidade. A vaga ainda não é oficial, mas temos uma grande expectativa de participar da Libertadores em 2016. Estamos planejando várias ações para buscar maiores receitas. A Libertadores faz parte dos nossos planos”, disse Piovezan.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.