Corinthians teme a eliminação precoce

O medo domina o Corinthians às vésperas da primeira decisão sob o comando de Oswaldo de Oliveira em 2004. Os jogadores estão temendo a partida de domingo em São José do Rio Preto. O time tem de ganhar de qualquer maneira do América para continuar brigando pela classificação às quartas-de-final do Campeonato Paulista. O Corinthians é 7º colocado (8 pontos) entre as dez equipes do grupo 1. E depois, só vai restar a partida contra a Portuguesa Santista. "Sou sincero: não tenho esquema definido nem jogadores que devem formar o Corinthians ideal. Estou conhecendo os atletas em plena definição da classificação. Esquema pelo menos para a partida contra o América, eu tenho. Mas tudo o que está acontecendo é muito longe do que eu gostaria", afirma o treinador.Os torcedores resolveram não esperar para que tudo se resolva. Nesta sexta-feira, oito meninos decidiram cobrar os atletas. Como Fábio Costa foi o primeiro a aparecer, foi muito ofendido. Ele não se conteve e retribui os xingamentos. Os seguranças expulsaram os garotos. Irritado com o que se passou, o goleiro se recusou a dar entrevistas.Para deixar ainda mais bizarra a cena corintiana, no meio do gramado, o apresentador Raul Gil, da TV Record, abraçava Oswaldo de Oliveira. "Vim dar uma força. Sou muito corintiano", dizia o ?homem do banquinho?. "Olha, todos nós estamos muito preocupados com a ameaça de desclassificação. O time não consegue mostrar bom futebol e precisa ganhar do América para continuar sonhando com a classificação para melhorar o ambiente que está ruim", admitiu o zagueiro Ânderson."Não quero nem pensar na possibilidade de o time perder para o América. O mundo vai desabar em cima de nós. Os torcedores não vão nos perdoar. O Corinthians foi campeão paulista de 2003. Se cairmos logo na primeira fase será terrível", disse o atacante Jô. "Podem falar que é culpa dos garotos que estão chegando para o time principal."Mesmo com a presença de Raul Gil, Oswaldo parecia não achar graça de nada. Apesar dos boatos de que a diretoria havia mudado a filosofia de contratações e partiria atrás de atletas como Djalminha, Ortega e Luizão, o treinador sabia que a realidade do clube é bem outra."Precisamos nos adaptar à realidade. O futebol brasileiro se tornou bem diferente de tempos atrás, quando chegavam jogadores importantes facilmente. Tenho de trabalhar com quem está aqui e acabou", afirmou o treinador, colocando um fim nas especulações sobre a contratações de jogadores renomados.Para deixar o clima ainda mais triste, os atletas comentam muito o afastamento dos quatro companheiros - Samir, Adrianinho, Dinélson e Régis - por deficiência técnica. Ninguém sabe quem será o próximo da lista. "É uma situação ruim. Mas serve de alerta aos outros jogadores. Ninguém quer passar por isso. Estamos torcendo para que eles reajam", revelou Ânderson.Oswaldo de Oliveira só parece ter uma certeza: com Gil no meio-de-campo, Jô e Bobô terão mais tranqüilidade. "Não tenho meia disponível no elenco (Rodrigo está machucado e Adrianinho foi afastado). Por isso resolvi apostar no talento do Gil. Não o mudei de lugar no campo porque suas jogadas pela ponta-esquerda estão manjadas. Longe disso", garantiu o treinador do Corinthians.Os jogadores e Oswaldo de Oliveira tiveram péssimas notícias sobre as condições do gramado de Rio Preto. "O campo está esburacado. Mas não temos o que fazer a não ser tentar a superação", avisou o treinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.