Corinthians tenta conquistar a torcida

O Rio Branco não vai ser a maior dificuldade do Corinthians neste sábado à tarde, às 17 horas, no Pacaembu, pela segunda rodada do Campeonato Paulista. O grande desafio da equipe comandada pelo técnico Juninho Fonseca - e dele próprio - será conquistar a confiança do torcedor, missão difícil, mas vital para o sucesso na temporada. O relacionamento com as arquibancadas começou a ficar abalado depois da derrota para o River Plate que custou a eliminação, ainda nas oitavas-de-final, da Taça Libertadores da América. A situação chegou a ponto crítico no segundo semestre, durante a disputa do Campeonato Brasileiro. Após perder vários atletas para mercados de segunda linha da Europa, como a Rússia e a Turquia, o time fez campanha pífia e terminou na modesta 15.ª posição. Na quarta-feira, a expectativa era de que esse "gelo" pudesse ser quebrado. Bastava atuação convincente fora de casa. Porém, o empate por 2 a 2 com o Atlético, em Sorocaba, na partida que abriu a competição, foi marcado pela forte chuva e, conseqüentemente, pelo péssimo estado do gramado. Ou seja, não foi possível nenhum tipo de análise. Compreensivo, o torcedor optou por não se manifestar. Agora o jogo é no Pacaembu e todos sabem que a história pode ser bastante diferente. O grupo de jogadores, bastante modificado em relação ao do ano passado por causa das 12 contratações, terá de mostrar, logo no início, que está livre da característica que mais irritou a torcida em 2003: a falta de vontade dos atletas. Juninho, por sua vez, busca superar a desconfiança natural que recai sobre alguém em início de carreira e quer provar que pode, de fato, treinar um time com a projeção do Corinthians. Consciente - No começo, quando o assunto é levantado, Juninho, visivelmente orientado por seus assessores, procura evitar comentários. No melhor estilo Ricardinho, fala, fala, fala e não diz nada. "Não existe pressão nenhuma por jogar em casa. Eu sempre digo que é sempre melhor jogar em casa do que fora", dizia. Porém, após alguma insistência, o treinador corintiano deixa sua espontaneidade aparecer e confessa: "É claro que diante desse contexto, o ambiente muda um pouco e a gente sente uma pressão maior." O treinador corintiano deve repetir a equipe que estreou no Estadual. A única novidade será a presença do volante Freddy Rincón entre os titulares, no lugar de Fabrício. Na frente, o atacante Marcelo Ramos, assim como o zagueiro Valdson, aguarda a chegada do atestado liberatório para poder ser escalado. Enquanto isso não acontece, Samir permanece em função dupla. É aproveitado tanto como meia quanto terceiro atacante. O meia Rodrigo regularizou sua situação com o Botafogo-RJ e está à disposição.

Agencia Estado,

23 de janeiro de 2004 | 18h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.