Corinthians tenta convencer Luís Fabiano

O Corinthians tem dois obstáculos a superar antes de trazer Luís Fabiano de volta para o Brasil. O primeiro é o assédio do São Paulo. O segundo é convencer o próprio jogador. Ele não quer chegar no Parque São Jorge para ser mais um. No Morumbi, seria o único rei. "Iremos resolver a questão do Luís Fabiano bem rápido. Não podemos ficar sem atacante. Não dá para esperar a vida inteira pelo Vágner Love. Sabemos que se ele vier será só depois de dez jogos do Brasileirão. Não dá para esperar. E o Luís Fabiano precisa se definir", diz, irritado, o presidente Alberto Dualib. "E tem mais: ele (Love) vai demorar para jogar pois será convocado para a Copa das Confederações. Já sabemos que o Vágner estará na lista do Parreira", deixou escapar o vice de Futebol, Andrés Sanches. No Rio, domingo, no vexame contra o Botafogo, foi fácil perceber que o assunto Luís Fabiano incomoda Kia Joorabchian, dono da MSI. "Não quero falar. Todos sabem que fui para Portugal, mas vou esperar. Essa negociação é assunto interno", dizia Kia. O cartola da MSI tem conversado com Passarella para ver se não valeria a pena investir de vez no argentino D?Alessandro, jogador de meio-de-campo. Ainda faltam três rodadas para o término do Campeonato Alemão, mas o Wolfsburg está em situação intermediária (9ª colocação)s e a liberação do jogador não seria tão difícil. Passarella, que adora D?Alessandro, gostou da idéia. Para fechar a negociação de D?Alessandro, Kia precisa se livrar do compromisso que tem com o River Plate. O iraniano já havia acertado com a diretoria do clube argentino a liberação do volante Mascherano logo depois da Libertadores. Vai valer também o lado comercial do negócio. Qual jogador teria maior poder de revenda: D?Alessandro ou Mascherano? Com a contratação de mais de três jogadores - dois atacantes; ou um atacante e um volante e um goleiro - Kia quer dar um fim nessa história de recorrer ao dinheiro da MSI. Ele acredita já ter investido o suficiente e quer deixar Passarella trabalhar com os jogadores que estão no elenco. Kia disse aos dirigentes que ?estourou o orçamento? reservado para as contratações em 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.