Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Corinthians tentou intimidar Neymar, dizem santistas

'Nós temos que proteger o Neymar, mas quem deve protegê-lo ainda mais é o árbitro', diz Kléber Pereira

Juliano Costa e Alex Sabino, Jornal da Tarde

22 de março de 2009 | 20h31

SÃO PAULO - Os jogadores do Santos reclamaram do comportamento dos corintianos com relação a Neymar, após a derrota por 1 a 0, neste domingo, no Pacaembu. Para os companheiros, o garoto de 17 anos foi intimidado por jogadores da equipe adversária.

Veja também:

video TV ESTADÃO: Gol e a confusão na torcida

video TV ESTADÃO: Ronaldo e sua participação

video TV ESTADÃO: Presidente do Santos reclama

video TV ESTADÃO: Fábio Costa cobra atitude

linkCorinthians vence o Santos pelo Paulista com show de Dentinho

linkConfusão toma conta do Pacaembu após o clássico

linkRonaldo destaca vitória e avisa: 'Não vou marcar sempre'

linkMancini diz que poderá usar novamente três atacantes

linkMano comemora fim do jejum corintiano em clássicos

som Eldorado/ESPN - Ouça o gol da vitória corintiana

mais imagens Galeria de fotos do clássico

tabela Campeonato Paulista - Tabela e resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Logo no início do jogo, Cristian acertou o braço no rosto do atacante, o que foi visto pelos santistas como uma tentativa de acuar a revelação da equipe. Se não condenaram publicamente o volante corintiano, os colegas do garoto disseram que as arbitragens precisam ter mais atenção e cuidado com os escassos talentos do futebol brasileiro.

"Nós temos que proteger o Neymar, mas quem deve protegê-lo ainda mais é o árbitro. E isso não aconteceu no jogo. O Neymar tomou uma entrada sem bola logo nos primeiros minutos do jogo, o juiz viu e não fez nada", disse Kléber Pereira.

O artilheiro lembra que isso vai acontecer com frequência na carreira do garoto de 17 anos e que ele deve estar preparado. "Foi uma tentativa de intimidação e isso não tem como negar", constatou Vágner Mancini. "Ele está acostumado com isso", comentou o pai do jogador.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.