Corinthians: torcida cativa parceiro

A chegada do iraniano Kia Joorabchian ao Pacaembu hoje à tarde já impressionou a cúpula corintiana. Seguindo a tradição, o executivo da Midia Sports Investments tratou de distribuir beijinhos na boca de quem visse pela frente. Alguns corintianos, quando perceberam a intenção, logo esticaram o braço dispensando o afago. Depois do ?susto?, os dirigentes trataram de mostrar o time e a vibração da torcida corintiana - público alvo do investimento que deverá chegar a US$ 45 milhões em dez anos. Kia é o intermediário do fundo que junta dinheiro inglês e russo. O patrimônio do fundo chegaria a US$ 1 bilhão. Simpático, o executivo aceitou dar entrevista no intervalo do jogo. Depois de fugir das perguntas envolvendo dinheiro, escorregou e revelou que, mesmo antes de o Conselho Deliberativo aprovar o novo patrocínio - a reunião está marcada para terça-feira -, já conversou com Tite sobre reforços que interessam ao técnico. O atacante Alberto, ex-Santos, que está no Dínamo de Moscou, já foi procurado. Sacramentada a parceria, será anunciado como corintiano. Pergunta - Por que investir no futebol brasileiro agora? Mesmo o Corinthians tendo uma grande torcida, o mercado é pobre. A entrada custa em média US$ 5.... Kia - O momento de investir é agora. A torcida do Corinthians é empolgante e tem um amor pelo time que impressiona. É a mais entusiasmada do mundo. Não vou entrar na parte financeira, mas o Corinthians merece investimento. Se eu não fechar com esse time, não vou procurar nenhum outro. P - O que você está achando do time contra o Grêmio? Kia - Acho que é uma boa equipe, mas precisa de reforços. Se fecharmos mesmo a parceria, posso ajudar a deixá-la mais forte, como os torcedores merecem. P - É verdade que você já conversou com o Tite sobre reforços? Kia - É. Eu conversei com ele sobre vários atletas. Não vou poder falar os nomes. Mas posso antecipar que são bons jogadores. Poderiam ajudar o time. Sorín? D?Alessandro? Não vou falar, me desculpe (rindo muito). P - Você acredita que a parceria será fechada? Kia - A nossa oferta a Diretoria do Corinthians já tem dez anos de parceria; quitação imediata da dívida de R$ 50 milhões; mais R$ 20 milhões para serem aplicados em reforços até o final do ano. Independente disso, US$ 200 mil todos os meses. Dois indicados pela MIS e outros dois dirigentes corintianos tocariam o dia-a-dia da parceira. Em caso de discordância, o voto decisivo sempre seria da MIS. Mais a participação de 80% do grupo de investimento na venda de atletas contratados pela empresa e 20% para o Corinthians. O percentual se reverte quando o atleta for revelado no próprio clube.) A reunião dos conselheiros irá determinar se isso será melhor para o Corinthians ou não. Não cabe a mim falar nada mais. Os dirigentes do clube sabem o que é melhor para o futuro. P - Mas qual a probabilidade de a parceria ser fechada? Kia - Eu não quero falar sobre isso. A decisão não cabe a mim. Os dirigentes já sabem o que posso oferecer. P - Se for aprovada a proposta, dois homens serão designados pela MIS para trabalhar no futebol. Eles serão brasileiros? Kia - Não vou falar nem que sim, nem que não. Vamos esperar a decisão do Conselho do Corinthians. P - Quando você vai embora do Brasil e volta para Londres? Kia - Ainda não sei. Quero antes acompanhar de perto a reunião do Corinthians. Aí vou determinar o que vou fazer e quando retorno à Inglaterra. E ontem cresciam os boatos que o vice Roque Citadini se afastará do clube se a parceria for mesmo fechada com o empresário beijoqueiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.