Corinthians trabalha para recuperar Lulinha

Jogador ainda não marcou nenhum gol em 26 partidas disputadas pelo clube no profissional

Cosme Rímoli, Jornal da Tarde

07 de fevereiro de 2008 | 19h44

Lulinha nas categorias de base do Corinthians e da seleção brasileira: 297 gols marcados. Lulinha no elenco profissional corintiano: 26 partidas e nenhum gol. Não há resposta convincente no Parque São Jorge sobre a radical queda de rendimento do jogador de 17 anos. Veja também: Corinthians e Palmeiras sofrem com começo de ano ruim Mesmo com seu longo jejum de gols, Lulinha tem uma das maiores multas contratuais do futebol brasileiro em todos os tempos - se uma equipe do exterior quiser levá-lo terá de pagar US$ 50 milhões (cerca de R$ 87 milhões). O seu empresário Wagner Ribeiro conseguiu fixar valor tão alto garantindo que Chelsea e Barcelona estavam interessados nele quando a multa era de US$ 5 milhões (R$ 8,7 milhões). Independente do valor da multa, Lulinha está cada vez mais irritado com sua situação atual. Ele tem escapado das entrevistas após as partidas. Mostra-se cansado de falar sobre a falta de gols. A tensão do garoto é nítida e começa a afetar o grupo. "Eu sei que todos querem ver os meus gols. Só que eu sou o maior interessado. Estou fazendo tudo o que posso", repete, desde o ano passado, o jovem atacante. "Acredito que o Lulinha está sentindo uma pressão imensa sobre tudo de bom que ele fez nas categorias de base. As pessoas estão querendo o mesmo rendimento que teve quando era juniores. Ele quer mostrar que joga, que pode fazer gol. Mas tudo o que precisa agora é ter calma para que os gols aconteçam naturalmente. Não dá para forçar", analisa o técnico Mano Menezes, logo após a partida contra o Barueri, na quarta-feira - mais uma em que o jovem atacante decepcionou. "Estamos conversando com o Lulinha. Ele é um menino. Precisa ter confiança para jogar. O futebol não respeita o que você fez no passado. É preciso provar em cada partida. Ele tem talento. Basta sair o primeiro gol que os outros vão acontecer", aposta o atacante uruguaio Acosta. Contra o Barueri, na quarta-feira, foi apenas a terceira partida de Lulinha sob o comando de Mano Menezes. O treinador já havia alertado que o jogador queimara etapas em 2007, quando foi efetivado na equipe profissional que acabou rebaixada no Campeonato Brasileiro. "Houve um desgaste. Isso é inegável. Isso na cabeça de um garoto tem um peso enorme. Com as partidas se sucedendo, a cobrança da imprensa e da torcida aumenta, mas o Lulinha tem personalidade para superar esse momento", acredita Mano. APOIO TOTALEnquanto isso, o empresário Wagner Ribeiro defende como pode o seu cliente. "O Lulinha tem cabeça boa. Nós temos conversado e eu falei para ele que o mais importante é continuar a jogar bem. Não precisa se preocupar com os gols. Eles virão naturalmente. E, afinal de contas, o Willian, que saiu tão valorizado (para o Shakhtar Donetsk, por mais de R$ 30 milhões), só havia marcado dois gols quando estava no Corinthians", lembra o agente. A diretoria corintiana também está preocupada com o desempenho de Lulinha. O presidente do clube, Andrés Sanchez, tem feito questão de abraçar e incentivar o jogador todas as vezes que ele o encontra na concentração ou nos treinos. "O menino tem grande talento. É o futuro do Corinthians. Ele está enfrentando a pressão por tudo de bom que já fez nas categorias de base. Ele vai conseguir superar tanta cobrança. O Lulinha é um grande jogador e ainda vai virar um ídolo do nosso clube", elogia Andrés Sanchez. No Parque São Jorge, há o medo evidente da desvalorização daquele que parecia ser uma das maiores promessas da história do futebol do Corinthians. Lulinha estava sendo apresentado para os patrocinadores do clube como o futuro corintiano. Só que ninguém esperava esse rendimento tão baixo. A administração de Andrés Sanchez se apresenta como moderna. E dentro dela há quem cogite levar Lulinha a um psicólogo. O assunto ainda é embrionário e tratado com o maior sigilo. Mas Mano Menezes nem cogita poupar o jovem atacante. Muito pelo contrário. Ele vai continuar jogando pelo Corinthians. "Os gols só vão sair se o Lulinha estiver jogando. Fase ruim de jogador de futebol só se resolve dentro do campo. O bom para ele é saber que o seu técnico e os seus companheiros acreditam muito no seu futebol. O Lulinha tem todo o nosso apoio e a nossa confiança. Esse momento vai passar. Vai passar", avisa Mano.

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansLulinha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.